Não se disfarça.

Os olhos marejados de saudades revelavam um amor insubstituível, impossível de apagar, acompanhado de perto pelo inevitável desgaste do tempo. Os outros, lentos na percepção, demoraram a notar sua tristeza contente, que brotava muito antes das lágrimas escorrerem. Não estava realmente triste e tampouco estava feliz. Apenas estava distante.

Ninguém a alcança neste lugar especial. Cada gota d’água representava uma centena de histórias, desde o primeiro beijo até a última dança, do primeiro ímpeto de desejo até as tantas mudanças, o passado feliz que não se alcança, finais, começos, êxitos, tropeços e o som das crianças. Tudo muda.

Se pudesse modificar algo é provável que não mudasse nada. O tempo amadurece a percepção, entretanto, a sabedoria nos faz não querer abrir mão de coisas que são inevitavelmente nossas. Apenas nossas. Ela sabe do que poucos sabem e talvez o saiba por instinto. Ainda é preciso se arrumar, passar uma maquiagem, colocar uma roupa bonita e celebrar a passagem dos anos. Nem tudo ocorreu como nos melhores sonhos, mas a vida ainda continua sendo boa. O sal das lágrimas encontra o discreto sorriso que já está sorrindo memórias absolutamente distantes e, ainda assim, incontestavelmente próximas. É mais fácil alcançá-las do que passear pela sala.

O choro não cessa e cada uma das pessoas ao redor sente algo diferente. Ninguém se aproxima do que ela realmente sente. Ninguém sabe como é estar na pele da gente. Sentir é sempre diferente. As lágrimas seguem traçando caminhos singulares pela face marcada e a vida segue sendo revivida e restaurada em flashes enquanto pessoas amadas aplaudem e afagam. A vida já foi longa e ela sente saudade da sua metade complementar e ri em uma dimensão distante, paraíso próprio e seguro, de quando haviam mais estradas e menos muros.

Ninguém se camufla. Ninguém se disfarça. O choro acontece e a mente anda de trás para frente percorrendo um trilho invisível. O caminho do amor é sempre possível. Lembra-se de como um dia se sentiu invencível. Agora pode ser longe e o amor sempre a salva. Há muitos motivos para ser feliz ainda, mas hoje essa felicidade é agridoce, pois não pode ser compartilhada com todas as pessoas que já amou. A saudade é uma pedra gigante que se carrega no peito e nunca fica mais leve.

Pouco a pouco, porém, nota-se ainda bela e mais sábia, contempla o surgimento de pessoas novas e memórias novas. O ciclo de renovação vai se tornando complicado, pois jamais se vence uma luta contra o tempo. Reza para que os ciclos se cumpram na cronologia adequada e sobrevive bem, guerreira, feliz. Continua em frente e sorri, veste-se bem e coloca os saltos altos, desfila pela casa, odeia a bengala, mas resignada já aceita que precisa se apoiar em coisas novas. É difícil compreender como se sente tão bem e jovem por dentro, mas os olhares alheios denunciam o envelhecimento. Por dentro a gente não sente. Por fora todo mundo vê. Como sobreviver com esse tanto de saudade? É demasiado doloroso pensar em morar na velha cidade. Como aceitar que a vida avança e a gente não consegue todas as respostas? Como manter a esperança se é difícil fazer novas apostas?

O tempo esmagador nos retira quase tudo, mas a observo sobreviver com classe, ainda que sem apetite. Não abandona sua aparência e se ergue como a deusa Afrodite. Recompõe-se e brilha como um exemplo para todos na mesa. Passa de uma situação para outra sustentando sua beleza.

Feliz é quem melhora os olhos e vislumbra só o conteúdo. Sortudo é quem envelhece consciente de que é preciso criar novos tipos de beleza para enfrentarmos o terrível e inevitável horror mundano. O inferno, às vezes, são as horas mais lentas do cotidiano. Ainda assim, a vida promete coisas boas para quem persiste tentando o melhor. Quando se ama alguém, oferece-lhe genuinamente a qualidade de amar e quando não se pode entregar nada, ainda há de se oferecer mais amor. As memórias nos abraçam apertado, para o bem e para o mal e, vez ou outra, é difícil percorrer o caminho de volta para a realidade, mas ela o fez sem qualquer dificuldade. Como me inspira força e coragem alguém que vive com tantos tipos de saudade.

Ela se levanta da mesa e pede um tempo para si. Não se disfarça. Não se camufla. Ama o seu passado. Ama o seu presente. Ama o seu futuro. Ensina, sem tentar ensinar, pelo exemplo e continuidade. Dorme cedo, acorda tarde, conversa, distrai-se, diverte-se, curte a família e os amigos, mas preserva ainda a felicidade que existe nos hábitos mais antigos e acolhe a todos com suas asas. Muita coisa mudou, mas ela ainda veste roupas bonitas e se maquia antes de sair de casa.

Água Salgada

Improvável filho
de uma força invisível
que não faz questão de ficar
Eterno andarilho
Incansável
Anda e anda e anda
Percorre os trilhos e sabe
Nunca vai voltar
Aprendeu
Catástrofes nos engolem
e temos sorte se esbarramos
em alguém que nos devolva
na boca o gosto da Vida
Lágrimas escorrem de meus olhos
sinto o sal na ponta da língua
Carregamos o oceano no âmago
O mundo se perdeu
Escuto e ouço centenas se repetirem
O mundo se perdeu, mas eu não
Sou acometido por náuseas e vertigens
Não vou vomitar
O fim é só um começo deturpado
Derrotamos o que supomos
fadado a dar errado?
Silêncio, ronco do cachorro,
estrelas urbanas nas calçadas,
carros em alta velocidade,
batida, semáforos, acidentes
Vale a pena sentir o que se sente?
O instinto da coragem te ergue
É preciso seguir em frente
Filho do mar se aproxima
sente a areia nos pés
Filho do mar, não existe sina
Ganhamos e perdemos
apostando na nossa fé
Fecho os olhos e
a areia me afunda
Estou enlouquecendo ou
tudo está acabando?
Sinto muito pelos erros que cometi
A minha vida passou voando
Por anos tive tantas certezas
Tento desfazer meus enganos
As nuvens anunciam a tempestade
Relâmpagos fazem brilhar o céu
É noite já e estou sozinho na praia
Fecho meus olhos e apago, mas
não sei dizer se estou dormindo
Na grande solidão do término do mundo
No ocaso mais tenebroso e escuro
Eu estava luzindo
Uma grande onda chega
Afogando tudo
Cada sentimento
Cada memória
com água salgada
Grito o seu nome e você não escuta
Será que grita o meu também?
Nossa prole também não nos ouve
Os corpos são lançados
em diversas direções
Na língua o forte gosto do sal
Nós nunca nos lembramos
Nós nunca existimos
Nós somos apenas
água salgada.

Sonho Lúcido

Flocos gelados despencam do céu
Derretem em contato com minha pele quente
Este sonho lúcido é muito antigo
Observo um campo florido e um lago
Reparo que o reflexo na água não é o meu
Eu enxerguei o seu rosto desde a primeira vez
Eu soube desde o primeiro encontro
que eu nunca me esqueceria do seu nome
Os batimentos cardíacos das estrelas estavam altos
A ansiedade do Universo criava uma tensão nova
Divindades matreiras falavam por metáforas
Será que algum dia estive acordado?
Flocos gelados despencam do céu
Derretem em contato com minha pele quente
A febre que sinto nunca mais passou
Os fantasmas que existem me zombam
Ridicularizam-me pelos grito que não gritei
e por todas as flores que amo e morrem
A vida é fugaz e o próximo verão se aproxima
Eu soube desde o primeiro encontro
que eu nunca me esqueceria do seu nome
A cadeira reclinável do avião estava quebrada
e eu queria te contar que vi colchões nas nuvens
Flocos gelados despencam do céu
Distantes da minha pele quente
A febre que sinto nunca mais passou
O futuro é uma brincadeira de mau gosto
Personificam em mim esperanças e promessas
Sorrio e a tristeza marca meu semblante
Sou como um Deus esquecido e não choro
Sou como um Deus esquecido e faço o que devo
Gotas de chuva despencam do céu
Molham minha pele durante a caminhada
Estou em uma praia de areia branca e mar bravo
Sou como um Deus esquecido e não sangro
O sal das lágrimas é igual ao sal do mar
Deixo pegadas por onde passo
Os fantasmas brincalhões me perseguem
E os cavalos nas dunas soam como um milagre
lúcido o bastante para dois mundos
Fecho os olhos e me perco das convicções
Este sonho lúcido é muito antigo
E eu soube desde o primeiro encontro
que eu nunca me esqueceria do seu nome
Agora a vida segue e me torno melancólico
Sou como um Deus esquecido e não choro
Estou conectado com algo imenso e terrível
O nome que preciso proferir ainda não foi inventado
Devo conhecer o nome dessa coisa antes de ir
Mergulhar na escuridão profusa do céu noturno
Essa jornada é extremamente solitária
Flocos gelados despencam do céu
E desejo sentir o gosto da neve
Ainda que morra congelado
Este sonho lúcido é muito antigo
O sangue escuro está em ebulição
Abandono todos para compreender
Livro-me de tudo para ir mais longe
Agora a vida segue e me torno melancólico
Tudo é fugaz e o próximo verão se aproxima
Mas eu soube desde o primeiro encontro
que eu sempre me lembraria do seu nome. 

Para onde seus olhos olham?

     Furacões de terras longínquas fizeram com que eu evitasse alguns caminhos. O dia todo decorria em câmera lenta. Anteciparia qualquer espécie de sinal divino acaso existisse, mas meus olhos ainda cansados não acharam nada tão diferente assim.

     Adianto-me nestes relatos até a parte qual não me pertence, mas me toca mais profundamente. Foi durante o almoço que fitei os olhos azuis de meu avô encarando fixamente a parede. Diversas vozes se conversavam na mesa parcialmente cheia, mas se o corpo do meu velho estava presente, sua memória parecia completamente alheia. Para onde seus olhos olhavam?

     Inigualavelmente distantes como poucas coisas que vi na vida. Contemplava tempos de antes e lembranças ainda não esquecidas? Tudo ali e você tão perto de nada. Altivo e enérgico outrora, olhos estranhos repousam olhares cheios de intenções sobre você agora. Ó Senhor Cruel chamado Tempo, o que foi que fizeste com os sacros momentos? Deus Maior que condena todos ao Esquecimento? Ele soa saudosista por melhores horas, mas não demonstra qualquer tipo de tristeza ou vileza. Aceita o fardo cobrado pela vida em um silêncio ensurdecedor. Para onde seus olhos olham? Buscam algum tipo de lembrança melancólica ou reabrem cicatrizes de dor? 

     Olho-o sem parar, mas ele ainda não me notou. Há algo na cor de oceano que me faz sentir que não me engano e tudo isso me leva a estremecer. Sei que vou falhar em tentar nos descrever. O que é que fica aprisionado aí dentro que não consegue mais buscar o seu lugar? O que restou quando todo o seu corpo começou a falhar?

     O que faz aí? O que tanto busca no passado? Será que procura novas maneiras para se ferir? Será que medita insistentemente sobre a hora de partir? Discreto como um personagem literário, antes, era como se ninguém soubesse desnudá-lo ou constrangê-lo. Parecia inequivocamente superior. Parecia certamente avesso à dor. Odeia o pedantismo. Prefere que brinquem com sua queda do que falem sobre o seu declínio. Não o machuquem mais. Acaso não percebeu que ele ainda é um sofredor silencioso?

     Nem todo mundo é pelas palavras e pelo alarde. Alguns morrem quietos enquanto outros tão escandalosamente ardem. Teus ideais agora rastejam no chão. Há quem te entenda e respeite, mas há poucos que não sintam qualquer comoção. Você odeia que sintam pena, mas procura com seus olhos perscrutadores quaisquer resquícios de negação. Para onde seus olhos olham, diga-me, senhor? Será que buscam a felicidade passageira e perdida em outras décadas esquecidas, descanso na loucura, doçuras perdidas, vestígios de amor?

     Teu porte agora é outro. Voz marcante, petulante e não obstante, seu novo eu é um sujeito rouco. Não. Sua risada grave ainda se espalha, mas você se sente migalha de algo que um dia foi inteiro. Pergunta-se se são preocupados por obrigação ou se são verdadeiros. Você se fere para saber se ainda sente algo pessoal? Você ainda ri de quem te olha de verdade? O que é que você quer nesses tantos instantes que antecederão ao fim? Que é que restou no mundo que você tanto deseja? Esses almoços te tornam feliz? Te orgulha ver a sua família reunida em volta da mesa? 

     Para mim são indiferentes os apelos das orações. Exagero-me na expressão de opiniões quais não tenho direito de me manifestar. Devemos falar sempre que sentimos a necessidade da fala ou estudar a hora certa de calar? Os próprios silêncios nos fazem mais sábios ou falsos? Os silêncios provam nossa maturidade ou nossa tolerância? Somos adeptos de qualquer vaga religião ou incertos em nossos absurdismos buscamos algo para tapear a solidão? Para onde seus olhos olham? Revolvem-se para dentro no intento de se perder da vida real? 

     Sol nefasto queima minha pele. Tantos oram pelos mortos, mas pelos vivos há quem zele? Cultura nova, obscura prova, compaixão, heróis, grãos de areia, lençóis, cantos de sereias, eles, nós, vil dança, inesperada criança, o jeito tão meigo que você sorri. Existe insegurança nos olhos mais bonitos que eu já vi? Não. Sombras o perseguem e você as enfrenta. Sabe que não pode vencê-las, mas ainda tenta. 

     A imensidão azul do par de olhos recai sobre mim. Observa-me apenas alguns instantes e logo solta a sentença: “Você está prestando atenção em mim. Acha que eu não entendo o que acontece por aqui“. Docemente lhe respondo que a conversa alheia me enche de assombro e que estou tão imerso em outro plano que de tudo o mais me esqueci. Ele me olha sem temor ou hesitação. Quase sentiu um lampejo de raiva quando supôs que o que eu via nele era pena. Quando percebeu a verdade se distraiu e sorriu como quem sabe que inexiste confusão que valha a continuação da cena. 

     Ele se levantou com ajuda e eu me fiz de apoio até que ele estivesse em sua poltrona na sala. Sentamos lado a lado e ele não disse nada, mas me lembrei de quando ele havia dito que supunham que ele precisava de ajuda para fazer tudo. O sabor da memória me fez mudo. Cada idade têm seu prazer e sua dor, mas falho em antecipar da velhice esse sofrimento. Não há empatia minha que me faça alcançá-lo. Não me testo e tampouco pretendo testá-lo. O café está pronto e vou buscá-lo. 

     Uma vida de tantos trabalhos e tantos esforços. A recompensa que todos alcançam é a debilidade dos já tão cansados corpos? A coluna se entorta, novos problemas surgem e encaramos a vida em contagem regressiva. Os ciclos se renovam e a vida precisa ser vivida. 

     Raridade secreta reside na solidão discreta e tentamos narrar nossos segredos, mas ninguém nos entende. Nas entrelinhas anunciei todos os meus medos, mas ninguém nunca me aprende. Hoje sou melhor e consigo mostrar um pedaço do meu valor. Algum dia alguém irá contemplar a imensidão do meu amor? Terei eu na velhice uma mesa cheia assim? Fixarei meus olhos castanhos em mundos tão estranhos enquanto me distraio de mim?           

Furacões de terras longínquas agora se acalmam. Não sei se perdi os sinais divinos ou se eles simplesmente desapareceram. Todo o resto pareceu perder o brilho também. Sinto novas pontadas de dores, mas meus novos amores sempre vão e vêm. Um milhão e meio de pensamentos passam pela minha cabeça, eu tropeço e caio. Continuo vivendo de improviso, faço drama, mas nunca me ensaio. 

     Incógnita irreal me faz tentar ter a empatia para com tudo, mas às vezes opto pela compaixão com nada. Sou essencialmente bom, mas mudo quando me mudo e persisto muito mais voraz nas longas madrugadas. O sono aos poucos se apodera de meu corpo. Um deus invisível afaga meus cabelos, mas me vejo sozinho no reflexo do espelho. Um instinto de loucura sobe, mas ninguém nota. Já estou quase dormindo quando percebo que ainda não sei para onde aqueles olhos olham.