Eu nunca parti.

Segure um trevo de quatro folhas
Adote um gato melindroso das ruas
Deite no chão de pedra no quintal
e me procure entre as estrelas
Você ainda reconhece o meu brilho
Você ainda se lembra do meu tom de voz
Então me chame pelo meu nome

Deite no sofá da sala e conte até noventa
Tome uma xícara cheia de café forte
que você mesma preparou
Procure-me pelos cantos da sua casa
ou da sua memória quase infalível
Todos eles mentiram
Eu nunca parti
Meus pedaços estão por toda a parte
Você ainda se lembra do meu tom de voz
Então me chame pelo meu nome

Baile com o meu fantasma
Faça de conta que aprendi a dançar
Intuitivamente você sabe que aprenderei
Afague seus animais com paciência
Observa a exuberância de tudo o que é verde
Procure conhecer a beleza do chão
Cuidado para não se tornar camaleão
Erga a cabeça quando o sentimento soar indizível
Nunca se esqueça de que já fez o impossível
Se o fardo for pesado, por favor, divida-o
Você ainda se lembra do meu tom de voz
Então me chame pelo meu nome 

Corra para dentro do bosque
Encontre-me, quando todos me esquecerem
Pergunte para a coruja mais esperta
Estarei perto da maior das árvores
Noctívago, discreto e tangível
Ainda que seus olhos não me vejam

Suba pela escada perigosa até o terraço
Mergulhe na memória do nosso eterno tempo-espaço
Ouça o meu canto desafinado afinar o seu coração
Desfaz-se o gélido inverno na quentura do verão
Sentirá então o calor que sempre emanou de mim
Talvez sinta o aroma do meu perfume favorito
Você ainda se lembra do meu tom de voz
Então me chame pelo meu nome e eu aparecerei

Se o impossível ancorar você na Dor
Recorde-se do que é a verdadeira Beleza
O seu lema sempre foi esse Amor
capaz de superar qualquer incerteza
Então se liberte e nunca mais exista para agradar
Você se pertence e é a mesma em qualquer lugar
Você aos poucos aprende a se admirar
Livre-se de suas roupas e ande sozinha pela casa
Fite-se no espelho e se contemple pelo que é
Agora dê meia volta ou uma volta inteira
como se sentisse o giro do planeta
Escute a minha voz tecendo um elogio
Todos eles mentiram
Eu nunca parti
Vire a ampulheta
Recomece a contagem do tempo
A areia, na verdade, nunca parou de cair
Inevitavelmente estamos envelhecendo
Diga-me para onde estamos partindo agora
Você ainda se lembra do jeito que sorrio
toda vez que você se permitia ser feliz por perto
Então me chame pelo meu nome

Nunca se esqueça de que você vale tanto
quanto as pessoas que admira
E que a grandeza só tem significado
quando de dentro para fora
Apimente suas refeições
Decida se crê ou não em dragões
Cheire alecrim, orégano e manjericão
Regue o cacto uma vez por semana
A gente nem sempre destrói o que mais ama
 
Sopre pó de canela na sacada
em uma manhã gelada de julho
Compre abacates, tomates e cebolas
Cozinhe algo se quiser cozinhar e se não quiser
Durma, assista televisão ou leia um livro
Pule ondas quando estiver na praia
Troque as conchas de lugar
Analise a rotina de uma gaivota
Cuidado com as queimaduras solares
Não se preocupe se tomar um pouco de chuva
Olha bem para o céu quando nascer um arco-íris
Você ainda se lembra das minhas cores
Você ainda se lembra do meu tom de voz
Então me chame pelo meu nome

Dê um sorriso largo sem pensar nos enganos
Veja quanta coisa acontece em um ano
Escreva um artigo de qualidade
Pensa de uma maneira inédita
Permita-se crescer onde ninguém observa

Ouse usar palavras extravagantes e existir longe
Utilize metáforas de sobrevivência
Perdoe os erros mais drásticos,
principalmente os que você cometeu
Aqueça seus pés e o seu coração
Chame seus grandes amigos pelos nomes
Agora convoque também o seu amor

Se porventura se perder,
Você ainda se lembra do meu tom de voz
Então me chame pelo nome e eu aparecerei
sussurrando palavras belas naquele velho tom amigo
Até quando meu corpo se deteriorar
Minha alma seguirá contigo.

O apartamento.

Há um pedaço grande e indefinido
que penso me pertencer, sem certezas,
Ele, que também sou eu, faz exigências
Exige horas solitárias para o processo criativo
Já eu exijo meu café quente para me sentir vivo
Há horas em que as exigências se mesclam
e não sei qual voz fala mais alto e quem escuto
Se o pedaço solto também é meu, afirmo, a outra voz é minha
devo hesitar em seguir as minhas próprias sugestões?
Não sei se nesta manhã confio muito em mim
Subo as escadas e estou no terceiro andar
Viro as chaves e entro no meu apartamento
Ninguém me espera e respiro fundo
É um apartamento espaçoso para uma pessoa
Ganho dinheiro o suficiente, mas não há nada
Um barulho me distrai e ando até a sacada
É a primeira vez em mais de setenta dias
que posso contemplar uma manhã
Meus olhos vislumbram tratores e
me dou conta do tamanho como algo novo
Meu coração se enche de tristeza
Observo homens carregando caixas
Operando empilhadeiras e tratores
Raramente rindo acima da confusão
dos sons altos das máquinas pesadas
Não há mulheres entre os trabalhadores e
ainda assim os homens são mais felizes que eu
Falta-me qualquer luz mínima para findar o breu
Olho para dentro e penso no tanto que já me aconteceu
O sexo é o consolo que temos quando o amor não nos alcança?
Não há mulheres na minha vida, tampouco há amor, sexo e esperança
Há o apartamento no qual moro e existo solitário
Aqui passo minhas pouquíssimas horas fora do trabalho
O bolso cheio, às vezes, coloca-me um sorriso no rosto,

entretanto, ando até a sacada e observo os tratores
Não tenho amores, amizades, carinho, sexo ou respeito,
Não sinto o ódio ou o descaso ou as distrações
É como se a cidade estivesse abandonada ou
tivesse optado por me rejeitar desde o princípio
Tudo o que tenho é este apartamento silencioso
e o suco de limão mais caro do mercado
Bebo o suco de uma só vez e calculo
quantos centavos vale cada gole
É a vingança da minha vida de solidão
Não entendo, mas sei que preciso passar por isso
No futuro passarei por coisas piores e a dor de hoje
me moldará para os desafios inexplicáveis de amanhã
Todo mundo morre no final, eu me ouvi dizer,
É preciso tomar cuidado com a linha que traduz vencer
Respiro fundo e sinto uma brisa gélida
Fecho os olhos e vejo paisagens lindas e lúgubres
através de janelas que nunca pude ver
Sinto como se estivesse ficando louco,

mas há os tratores e a pizzaria na esquina
A realidade é pesada e o barulho me situa
Há um pedaço grande e indefinido,
que penso me pertencer, sem certezas,
A escuridão que assola a minha vida hoje
não chega perto da que eu sentirei um dia,
entretanto, lido sozinho com a cidade alaranjada
Repleta de coelhos brancos e ofensas no trânsito,
Vislumbro um bebê no meu colo
em algum lugar perto de lugar nenhum
Sonho diurno com a vespertina carioca,
Sou o único que capta o momento
em que um camaleão troca de cores
A vil adaptação quando não é feita apenas
por motivos de sobrevivência
Pisco os olhos e descubro o que acontece
após um assalto mal planejado
Olho de frente para uma mentira
que não faz o menor sentido
Conto coisas que canto e canto coisas que conto
As palavras me abraçam nesta desértica solidão laranja
O céu rosa subitamente acinzenta e a tempestade
me convence de que haverá alegrias e tristezas aos montes
Preciso ser feliz e triste para aprender melhor
A vida será ridiculamente mais difícil no futuro, entretanto,
Lá adiante não ando mais sozinho
O apartamento não é mais meu último conforto
O trabalho com números não é o único caminho.

Divagações Prolixas

Àquela época, juro, não havia como entregar mais do que eu já entregava. Não me entenda mal, eu não era dado a perversões, não era particularmente viciado em coisa alguma e me sobrava a disposição juvenil para o labor que só transborda nos realmente jovens e espirituosos. Eu era, hoje vejo, ainda ingênuo. Alimentava minhas crenças na possibilidade de crescer na empresa em que trabalhava e acreditava fervorosamente na meritocracia, assim, não me importava em me matar de trabalhar, na verdade, até desejava trabalhar até a exaustão, mesmo que minhas mãos estivessem trêmulas ao final do expediente e meus olhos avermelhados. Não era como os japoneses que trabalhavam até quinze horas por dia, entretanto, com uma personalidade obstinada, firme como o aço, eu dificilmente me dobrava para o cansaço ou qualquer outra coisa. Se eu era capaz de lidar com a exaustão era sinal de que estava tudo bem. Meus esforços resultariam inevitavelmente em uma carreira bela e sólida.

Quando se quer trabalhar, porém e, surgem centenas de obstáculos entre você e o objetivo, há de se respirar sem pressa e recuperar a confiança. Mantenha a calma e contenha o entusiasmo. É preciso fazer um esforço hercúleo em não se esforçar. A primeira vez que me vi defronte ao dilema senti um torpor crescente, pois as informações pareciam e ainda me parecem antagônicas. Como absorver uma informação que soa como uma brincadeira? Você pode estar chocado, entretanto, eu falo a verdade sobre isso de se esforçar em não se esforçar. É mais ou menos como a expressão se fechar em concha, mesmo que não guarde pérolas. Há ambientes em que há um empenho notável em não levar qualquer tipo de conhecimento além. Tudo pede discrição? Tudo. Sabemos o que sabemos e ninguém nos ensinou, logo, também não me sinto obrigado a fazer o mesmo já que nunca o fizeram por mim. Bem, há duas maneiras claras de fazer a leitura da situação: lendo-a ou evitando lê-la. Só os banais se desgastam sem a necessidade.

Àquela época, juro, fechava os olhos da minha intuição para evitar o pior que antecipava dos outros. Nestes tempos de isolamento, é mais fácil se esquecer de si mesmo. Sente saudade de quem costumava ser no mês passado? Sente o peso das culpas do extenso mês de fevereiro? Sente o cheiro da maresia e o aroma de vida nova da cabeça do seu sobrinho? Por quanto tempo vale a pena ser o que é? O que você faria para se adaptar e se sentir um pouco melhor a respeito de si mesmo? Proteja-se, rápido, seja com a sua afiada argúcia intelectual ou com seu notável porte físico. Ninguém transporá suas armaduras e você estará certo em se sentir seguro, desde que nunca perguntem. Você reconhece os facilmente impressionáveis por também ser assim, certo? Não ter um rumo para onde seguir é a personificação da jornada de solidão no deserto. Toda a atenção do mundo não te faz sentir mais esperto. Falhar consigo mesmo não é uma possibilidade. Você sequer existe quando não há estímulo e atenção dos outros.

Agora estenda os raciocínios e vá além. Desabroche no asfalto, quebre o silêncio com um grito, erga os punhos e não se deixe abater tão facilmente. Respire fundo e aguente firme. A jornada quase nunca é simples. A vida exige de nós um pouco de jogo de cintura e há quem confunda um rebolado discreto com um curso profissional de dança. Não devemos nos esticar distâncias impressionantes e difíceis de calcular apenas para tentar impressionar os outros. O que resta de nós quando abrimos mão de nós? Os preços, altos ou baixos, geralmente são pagos. Os fins, dizem, justificam os meios. Qual é a sua opinião sobre fins e meios? Sinto um arrepio e não sei se é devido ao pensamento perigoso ou ao café ruim do meio de uma tarde de trabalho. Sorrio e temo pelo dia em que puxarão o meu tapete. Deveria viver objetivando deslumbrar as pessoas? Conheço meios para ser o centro das atenções, portanto, deveria colocar uma melancia na cabeça e fazer com que tudo seja sobre mim o tempo todo? Sou desprezado e detestado por pessoas viciadas em impressionismos baratos. Não me esforço para dobrá-los ou convencê-los. Eles, por sua vez, irritam-me de vez em quando e me tiram do sério. Respiro e me recomponho. Não preciso tornar relevante quem não o é. Calo o meu lado intelectual, privo o planeta da minha existência, sou o que resta de mim em mim, sem plateia, sem aplausos, sem assovios ou tomates. Penso antes de abrir a boca e por vezes a fecho sem nada dizer. Os sonhos inadequados, se eu os tivesse, não os compartilharia como quem percorre trilhas secretas, sorrateiro, deixando pedaços de pele e de presença. O que será que querem? O que eu diria se não tenho o que dizer? Será que deveria forjar opiniões aprazíveis para me encaixar e ser adorado pelas pessoas? Todo mundo gosta tanto de quem tem a fala fácil e a adaptação rápida. Todo mundo gosta tanto de amar quem é completamente desconhecido. Algo dentro de mim pede para sair e reflito que isso talvez não agrade meu público, conscientizo-me de que isso tudo talvez amargure o meu grande espetáculo. Dou de ombros. Quando o que urge dentro pede para existir fora, respiro fundo e aliviado, solto o ar do meu peito.

Não devemos calar a nossa voz interior apenas para encontrar um tom que agrade a multidão. Não devemos nos apagar do que somos para nos apegar ao que não somos porque queremos desesperadamente pertencer. Apego-me muitas vezes ao que não sou para continuar não o sendo. Os prêmios pelas melhores atuações são excepcionais, mas os troféus fictícios não podem ser ostentados na estante. Na galeria dos troféus de mim, só me orgulho de quando consigo me manter “Eu” em face do horror reproduzido pelo mundo. Estou consciente de que sou capaz de reproduzir Beleza e Horror. Opto, na maior parte do tempo, pela difícil tarefa de valorizar o Belo através da exaltação das discretas coisas frágeis.

Os erros são, na verdade, tão legítimos quanto os acertos. Àquela época, juro, exprimia da vida todo o suco que ela podia me entregar. Os erros aconteciam aos montes, mas os acertos ocorriam em frequência ainda maior. Veja, não é como se eu não estivesse tentando ir para algum lugar, entretanto, os nossos alvos internos são, geralmente, invisíveis aos olhos dos outros. Nos aprazemos em tornar defectíveis os que jazem longe e nos apressamos em aperfeiçoar os que estão perto o bastante ao ponto de parecerem figuras místicas. Franzimos o cenho, cruzamos nossos braços e, não raramente, atacamos quem ataca nossas pessoas amadas. Somos o escudo que se levanta e ampara as flechas, mesmo quando os disparos são realmente merecidos. Alguém já te defendeu quando você estava errado? Como isso faz você se sentir?

Por vezes sinto como se meu cérebro fosse pifar e me lanço outra vez em esforços hercúleos, homéricos ou qualquer coisa assim, sobre lendas que nunca me fizeram a menor diferença, apenas para pensar menos e me acalmar. Quem não sabe perdoar só sabe coisas pequenas e quem se apequena para se encaixar pode muito bem ser esmagado, mesmo que sem querer. A vida é linda e feroz. Minha expansividade baila com um sorriso brincalhão de júbilo na face quando me percebo convicto a respeito de uma opinião que posteriormente se configura completamente verdadeira em um tempo-espaço futuro. Não sei o que falo, o que calo, mas aos poucos compreendo que Deus mora no escuro. Não só na escuridão qual temo, bem como no sol que cega meus olhos. Deus é um amigo que esquenta e esfria e tenho que me esforçar para ser um filho pertinente. Tento me acostumar com quem não me exige costumes falsos. Pertenço a quem não me obriga ou me estimula a me disfarçar e a quem me aceita exatamente como eu sou. Olho-me e me reconheço confuso. Quantas divagações espirituais e divinas para alguém que quase nunca reza. A minha fé, porém, subsiste nas coisas certas. Quando falho com o que considero correto, falho comigo, fecho-me e me envergonho. Volto outra vez a escutar gritos assombrosos, miados fantasmagóricos e os calafrios agora são mais assustadores. Meus pelos se eriçam e me vejo pronto para o combate. Espécie de fera arisca, sou feito de amor, mas o meu coração de guerreiro bate. Estou de joelhos, mas me levanto cambaleante. Luto quando é preciso lutar. Faria sangrar pelo que é certo. Faria sangrar pelas pessoas que amo. Banharia meu corpo em vilezas, desde que feitas de certezas, ainda que a maioria do mundo considerasse um engano. O tempo todo nos conduzem por um processo estreito qual nos empurra para um pensamento de massa. Tudo se polariza e você deve escolher um dos lados. De que lado você está?

É preciso, eu juro, empreender um esforço sobrenatural para não escolher. Não é fácil apontar os erros dos outros enquanto reconhece os seus próprios. Não é fácil parar de amar ídolos fracos e falsos só porque um dia lumiaram os nossos olhos. A vida é o caminho que escolhemos e os milhares que deixamos para trás. Quem sabe fôssemos mais felizes, quem sabe tivéssemos sucumbido diante das trevas do Universo, quem sabe a solidão nos fortalecesse ou nos matasse de vez. Quem sabe o que teria acontecido se eu não tivesse entregado todas as moedas ao mendigo ou doasse meu casaco ou cortasse o papo do coreano. Carrego a lanterna como a prova de algo que não sei o que provar, mas sempre sorrio com a lembrança do presente. Quem sabe a lanterna do coreano me faça me sentir mais lanterneiro, como o menino naquele avião ou quem sabe eu precise me alimentar de coragens alheias para fortalecer a minha própria. Quem sabe esse Vide Noir cresça, diminua e cresça outra vez. Quem sabe abrir mão de alguns casacos tenha me garantido eternamente aquecido. Quase fui engolido, mas saí do fundo do poço. Quase pelo mundo fui esquecido e ninguém se recordaria do meu nome no meio dos destroços. É estranho não tentar e crescer. As pessoas dizem e nunca cumprem o que prometem fazer. Sei de memória de pelo menos dez pessoas que juraram ler meu livro. Elas, na verdade, estão mais interessadas em quaisquer futilidades nas rotinas ou nos feriados e domingos. Talvez todo mundo minta que se importa. Talvez a solidão outra vez me bata à porta. Talvez o meu destino seja ser triste, entretanto, luto ferrenhamente contra o destino. Se tenho força para me levantar posso então mudar o meu destino?

Sigo, trêmulo, oco, repleto, opaco, cego, confiante, hesitante, claudicante, alegre, triste, entusiasmado, pelas centenas de estradas da vida. Talvez devesse escrever mais doze contos sobre realidades tão comumente esquecidas. As mesmas pessoas que então juraram me ler, por sua vez, jurariam de novo e novamente não leriam. O que nos resta quando nada interessa e tudo soa como uma péssima poesia? Rimo, faço anagramas, sigo, sorrio menos, deveria sorrir mais, Anna diz, meu avô dizia, meus avós diziam, meu pai dizia. Dani, seu sorriso é tão lindo, por favor, sorria mais, mas não posso deixar de ver o que vejo e há coisas de mais espalhadas pela cidade e os outdoors foram removidos e eu não sinto saudades, mas os outros parecem o tempo inteiro quererem voltar ao cerne de uma vida sem expectativas. Sairemos todas as noites e que nossas vidas sejam esquecidas. Noctívagos de olhos espertos espreitam a escuridão e eu sei que já fui um deles. Distrações não me distraem e eu choro. Distrações não me distraem e me permito respirar. Os cochilos são sagrados, mas às vezes Deus me furta o sono e compartilho um silêncio de roncos baixos com a mulher que amo. Melhor seria apagar, mas permanecer acordado também é precioso. Tenho medo de não a ver roncar mais. Tenho medo dos medos. Secretamente encaro meus maiores desesperos.

Lá vou eu, como um navio, desbravar o mar em uma noite de tempestade, livre do medo de soçobrar. Nem a criatura mais forte diminui a potência das marés. Eu talvez morra essa noite ou essa tarde porque meus entendimentos falharam em ser entendidos por todos, inclusive, por mim. Vencemos todas as vezes que apostamos em nossas individualidades. Fracassamos toda vez que nos disfarçamos. Ser pequeno não serve ao mundo e, respiro-me, saio de mim, para encarar essas tantas adversidades. Talvez eu perca a minha vida, mas quero observar o sono da mulher que amo e deixar que meus braços lhe confiram uma sensação de segurança. Talvez eu perca a minha vida, mas um dia vou matar o dia de trabalho para passar uma manhã inteira com o meu cachorro e a minha gata. Talvez eu perca a minha vida, mas estarei onde tenho que estar, prostrado, eu, dono de mim, convicto de não estar convicto, mas sem me vestir de outra pessoa para impressionar. Lá vou eu, na escuridão de Deus, amar a vida que nem sempre me ama de volta. Lá vou eu, outra vez me importando com quem nem sempre comigo se importa. Ao redor do buraco tudo é beira, sorrio, encaro o abismo e ele me encara de volta. Não tenho medo de altura e ergo a minha cabeça e sorrio. Os sonhos foram feitos para serem sonhados. Alguns se realizarão e outros não. Será que há alento para os que fracassam? Canções novas agitam o meu peito e sinto que podem brotar, a qualquer momento, novos contos para que eu possa cantar. Se um dia eu me perder de tudo por decidir mergulhar bem fundo, você me ajuda a voltar?

Acordo no meio da noite e ando pelo apartamento sem acender as luzes. A cidade silenciosa existe sem mim e a fito pela sacada. A escuridão é o lugar de Deus, portanto, não acendo as luzes. Permito-me, aos poucos, a me acostumar. A brisa gélida trespassa meu corpo na madrugada e sinto meus instintos de criatura noctívaga. Existo, sei que sim, sorrio, pois Deus vai cuidar de mim. Todos somos filhos do mesmo. Sorrio por não ser meramente religioso. Sei que tenho grandes sonhos e a vida não pode acabar mal. A morte é o destino que une a humanidade, assim, convenço-me de que, cedo ou tarde, iremos nos encontrar em outros planos. Não sei o quanto valho, mas a vida é só uma, até onde eu sei e creio honestamente que não é saudável desperdiçar meu tempo sendo quem eu não sou. O que me oferecem em troca de atuação é audiência e não amor. Sorrio e meus olhos enxergam cada vez melhor. A escuridão começa a ficar clara ao meu redor. Nem todos os dias são bons, mas tudo vai ficar bem. O incenso queima e o calor do fogo me confirma: ser o que se é ainda nos levará além.  

Não sei onde chegarei, juro, mas caminho em uma direção previamente estabelecida, sem imitar os outros e nem seguir milhares de trilhas. A minha personalidade não se confunde com a dos outros e sinto um alívio. Não há como entregar mais do que eu já entrego. Não me entenda mal, eu não sou dado a perversões e continuo não sendo particularmente viciado em coisa alguma. Não divido meus hábitos, mas divido a minha jornada com quem nunca solta a minha mão. Há quem pense que os dragões são todos ferozes e que as raposas são todas matreiras, entretanto, as sutilezas das feras são de uma leitura mais lenta e atenta. A disposição que me sobra não me transborda, mas é direcionada para o destino certo. Eu era, hoje vejo, ainda ingênuo e sinto um estranho orgulho da minha ingenuidade. Cuido como ninguém das pessoas que me cercam. Nunca me esqueço dos meus acertos e dos meus erros. Há muito o que errar, mas muito mais o que acertar daqui para frente. Tudo é como é, mas permaneço forte enquanto andar lado a lado com pessoas que me reforçam na essência. Quanto aos que exigirem que eu seja qualquer outra coisa, balanço a cabeça em negativa e tenho paciência. Um dia quem sabe eu possa fazer alguma diferença.

Noctívago

Erguia os olhos e sustentava um olhar ora curioso, ora sedutor, dando a entender em cada um de seus gestos mínimos, nas discretas expressões faciais e corporais, que buscava algo. Eu, cada vez mais acostumado com a imponência de sua presença, percebia-o expandir, crescer até tomar conta do ambiente, mantendo, entretanto, o cuidado de não sufocar os outros. O poder que transbordava das ações dele parecia derivar do autoconhecimento. A percepção de que era capaz de ser sublime e patético o tornava leve e a leveza dele atraía uma espécie de atenção inédita. Brindávamos então com um copo de cerveja, ainda que eu detestasse cerveja àquela época, mas a promessa de lealdade entre nós, o valor e o dom de uma amizade raríssima, sempre me impelia ao álcool, pois eu sabia que o meu amigo era sempre merecedor do brinde.

Após o brinde a sua inquietação aumentava, porém era preciso conhecê-lo bem para notar sua perturbação. Os olhos escuros dele continuavam procurando algo, nunca ninguém jamais soube o quê, talvez nem ele próprio, até que se detinha e, enfim, os olhos descansavam. Na minha visão contundente de observador, reparava em como meu amigo parecia consumir as pessoas, não de um modo negativo, pelo contrário, como se ele próprio provocasse efeito adverso nos estranhos. Os outros, sem saber o que aconteceria a seguir, aceitavam o que quer que estivesse por vir.

Tudo sempre acabava igual. Nada fazia com que ele parasse de procurar, mesmo quando ele supunha ter realmente encontrado seja lá o que fosse. Era como se instintivamente procurasse alguém que pudesse alimentar seu fogo. Como observador, por vezes o achava um inútil, mas todos éramos suficientemente idiotas em nossas obstinações. Os términos eram tão parecidos que soavam quase indistinguíveis e ele, outra vez sozinho, carbonizava a si mesmo.

Conseguia o que queria, mas não era realmente o que queria. Amava o brilho, mas nunca havia encontrado uma estrela. Seus olhos perscrutavam o negrume sombrio, vasculhavam lugares improváveis, incessantes, incansáveis, insatisfeitos, quiçá inapropriadamente teimosos. Buscavam o mistério da vida, o nome do vento, a constatação da veracidade do amor.

Eu, cético, não entendia como alguém como ele poderia ser vaidoso e simples, extravagante e altruísta, expansivo, ainda que se racionalizasse de quando em quando para não assustar o mundo ou apenas para escutar os melhores silêncios dos românticos. Precisava tanto assim do Amor?

Era o que ele me dizia que procurava, mas era preciso sorte e resiliência para encontrar algo assim mais de uma vez na vida. Ele queria ser feliz, dizia-me, mas sabia que ainda teria de ser muito triste e sofrer muito até que pudesse se sentir seguro mais uma vez. Ostra feliz não faz pérola, resmungava ele citando qualquer Rubem e os dias se passavam enquanto meu bom companheiro ansiava pelas noites. A escuridão o aterrorizava e o excitava, gatuno das sombras, criatura noctívaga, filho da lua. A vida acontecia e até hoje acontece, quase todos os dias diferente para quem olha e vê os detalhes. O olhar de meu grande amigo é a única coisa eternamente igual, a única coisa que vejo e sei que buscará algo mais, algo ainda não encontrado. Será para sempre assim imutável?

Não se disfarça.

Os olhos marejados de saudades revelavam um amor insubstituível, impossível de apagar, acompanhado de perto pelo inevitável desgaste do tempo. Os outros, lentos na percepção, demoraram a notar sua tristeza contente, que brotava muito antes das lágrimas escorrerem. Não estava realmente triste e tampouco estava feliz. Apenas estava distante.

Ninguém a alcança neste lugar especial. Cada gota d’água representava uma centena de histórias, desde o primeiro beijo até a última dança, do primeiro ímpeto de desejo até as tantas mudanças, o passado feliz que não se alcança, finais, começos, êxitos, tropeços e o som das crianças. Tudo muda.

Se pudesse modificar algo é provável que não mudasse nada. O tempo amadurece a percepção, entretanto, a sabedoria nos faz não querer abrir mão de coisas que são inevitavelmente nossas. Apenas nossas. Ela sabe do que poucos sabem e talvez o saiba por instinto. Ainda é preciso se arrumar, passar uma maquiagem, colocar uma roupa bonita e celebrar a passagem dos anos. Nem tudo ocorreu como nos melhores sonhos, mas a vida ainda continua sendo boa. O sal das lágrimas encontra o discreto sorriso que já está sorrindo memórias absolutamente distantes e, ainda assim, incontestavelmente próximas. É mais fácil alcançá-las do que passear pela sala.

O choro não cessa e cada uma das pessoas ao redor sente algo diferente. Ninguém se aproxima do que ela realmente sente. Ninguém sabe como é estar na pele da gente. Sentir é sempre diferente. As lágrimas seguem traçando caminhos singulares pela face marcada e a vida segue sendo revivida e restaurada em flashes enquanto pessoas amadas aplaudem e afagam. A vida já foi longa e ela sente saudade da sua metade complementar e ri em uma dimensão distante, paraíso próprio e seguro, de quando haviam mais estradas e menos muros.

Ninguém se camufla. Ninguém se disfarça. O choro acontece e a mente anda de trás para frente percorrendo um trilho invisível. O caminho do amor é sempre possível. Lembra-se de como um dia se sentiu invencível. Agora pode ser longe e o amor sempre a salva. Há muitos motivos para ser feliz ainda, mas hoje essa felicidade é agridoce, pois não pode ser compartilhada com todas as pessoas que já amou. A saudade é uma pedra gigante que se carrega no peito e nunca fica mais leve.

Pouco a pouco, porém, nota-se ainda bela e mais sábia, contempla o surgimento de pessoas novas e memórias novas. O ciclo de renovação vai se tornando complicado, pois jamais se vence uma luta contra o tempo. Reza para que os ciclos se cumpram na cronologia adequada e sobrevive bem, guerreira, feliz. Continua em frente e sorri, veste-se bem e coloca os saltos altos, desfila pela casa, odeia a bengala, mas resignada já aceita que precisa se apoiar em coisas novas. É difícil compreender como se sente tão bem e jovem por dentro, mas os olhares alheios denunciam o envelhecimento. Por dentro a gente não sente. Por fora todo mundo vê. Como sobreviver com esse tanto de saudade? É demasiado doloroso pensar em morar na velha cidade. Como aceitar que a vida avança e a gente não consegue todas as respostas? Como manter a esperança se é difícil fazer novas apostas?

O tempo esmagador nos retira quase tudo, mas a observo sobreviver com classe, ainda que sem apetite. Não abandona sua aparência e se ergue como a deusa Afrodite. Recompõe-se e brilha como um exemplo para todos na mesa. Passa de uma situação para outra sustentando sua beleza.

Feliz é quem melhora os olhos e vislumbra só o conteúdo. Sortudo é quem envelhece consciente de que é preciso criar novos tipos de beleza para enfrentarmos o terrível e inevitável horror mundano. O inferno, às vezes, são as horas mais lentas do cotidiano. Ainda assim, a vida promete coisas boas para quem persiste tentando o melhor. Quando se ama alguém, oferece-lhe genuinamente a qualidade de amar e quando não se pode entregar nada, ainda há de se oferecer mais amor. As memórias nos abraçam apertado, para o bem e para o mal e, vez ou outra, é difícil percorrer o caminho de volta para a realidade, mas ela o fez sem qualquer dificuldade. Como me inspira força e coragem alguém que vive com tantos tipos de saudade.

Ela se levanta da mesa e pede um tempo para si. Não se disfarça. Não se camufla. Ama o seu passado. Ama o seu presente. Ama o seu futuro. Ensina, sem tentar ensinar, pelo exemplo e continuidade. Dorme cedo, acorda tarde, conversa, distrai-se, diverte-se, curte a família e os amigos, mas preserva ainda a felicidade que existe nos hábitos mais antigos e acolhe a todos com suas asas. Muita coisa mudou, mas ela ainda veste roupas bonitas e se maquia antes de sair de casa.

Quero existir longe.

Comece pelo fim
E faça do final a metade
do início
Encontro-me no
alto das coisas
no dia do solstício

Recite as sete palavras
Chama meu nome
Atenderei seu chamado

Ajoelha na beira do rio
Bebe a água da nascente
Responda as perguntas antigas
Cauteriza sangramentos abertos
Cuidado quando chamar de burro
um tipo distinto de sujeito esperto

Prostre-se como uma montanha
Desafie com os olhos ardentes
o mundo que te esqueceu
Nunca os esqueça como vingança

Ouça a voz do seu coração
Caminhe de volta até mim
Chamo teu nome
em um túnel escuro

Ouça a voz do meu coração
Caminho até você
Escuto o meu nome
em um túnel escuro

Encontro no breu
Dedos entrelaçados
Promessas novas

Corações distanciados
quando retomam o convívio
Esquecem cedo ou tarde
o que havia os separado
Nota final de alívio

Para que algo cresça
Regue suas plantas
Avenca, salgueiro, girassol,
Pequenas e grandes esperanças

Recebo teu abraço
Solto meu corpo na relva
Seu perfume supera o das flores
É mais fácil sobreviver na selva
do que encarar uma vida sem amores

Termino pela metade
Te vejo neste túnel sombrio
Ainda que não a perceba com os olhos

Estremeço com o som do silêncio
A sua respiração me salva
Como sobrevivi tanto tempo
rodeado por fantasmas?

Mergulho fundo no escuro
O bigodudo realizador de sonhos
está estilhaçado no chão

Medito sobre a morte sentado
no porão de mim mesmo

Medito sobre a vida sentado
na solidão sensorial da memória

Quero existir no Alto das coisas
Como se o paraíso fosse ser Longe e ver Longe
Pergunto-me sobre o que você quer

Quero gargalhar alto do que não se entende
na sala de cinema em um mundo sem pandemia

Quero me perdoar pelos equívocos e pelo luto
Rir sem amargura do que não se conserta
Quero ter orgulho da consciência óbvia
de que todo mundo erra

Fecho portas e fecho janelas
Não aguento mais sentir frio

Quero existir longe e no alto das coisas
tapar com o sol da minha essência
essas milhares de vozes no Vazio.

A dor dói

A dor dói
Repito e repito e repito
Apenas por mentir
ou por repetir?
O que se constrói
também se destrói
Repito e repito e repito
até que eu possa sorrir
Wilde disse que sempre
destruímos o que mais amamos
Sabia ele algo sobre amor?
Talvez sua especialidade
fosse apenas destruição
Quiçá um perito bem vivido
em longínquos tempos de dor
E solidão
Diria ele então que a dor dói
E se repetiria apenas por se repetir?
O que se destrói apenas se destrói
E zombaria da minha visão
ao sorrir
A dor certamente dói
A indecisão indubitavelmente fere
Não há neste mundo super-herói
Que aguente o sofrimento do mundo na pele
E que tentemos nos manter calmos
Em face do que nos traz a noite escura
Do chão estamos à sete palmos
Epitáfio lúgubre em eterna gravura
A memória recorda e guarda lembranças
A chuva me acorda e perco esperanças
Quando ficou tão difícil
de falarmos a mesma linguagem?
A compreensão de quem compreende
Rede nas janelas
Sono felino
Sequelas
e velas
Cachorro
dormindo
Dormido
distante
da dor que
tanto dói
Outro cão
mija na estante
Sinto a cabeça
que dói
Confusão
Dor que dói
Como a dor antiga
na outra madrugada de temor
Em minha lápide jaz esquecida
a mais bela história de amor
E os tristes seguem tristes
E a felicidade dos felizes passa
A minhoca se entorta e foge
do pássaro predador que a caça
A dor dói
A felicidade é feliz
E qualquer coisa
é qualquer coisa
Se eu sei de algo
É por saber que sei de nada
É preciso tomar cuidado
quando a voz cala
E a intenção segue
Insinuada
Nada
a ser dito
Nada
bonito
Madrugada
gelada
Desespero
E grito
Talvez
se a dor
não doesse
Meu sentimento
fosse mais pequeno
Talvez um dia entenda
o que hoje parece ameno
Que sinta e olhe e saiba
que não se força onde não caiba
E que falar é necessário
A cena descreve
um poema
A vergonha
envenena
a tinta e a pena
O rumo e
o destinatário
Assim se vai
a dor que dói
Após sentirmos
Ela ao extremo
De longe eu a vejo
Distante eu aceno
Os demônios do fogo dormem
todos de olhos abertos
Imito seus rituais
tentando me sentir esperto
Os sentidos todos se escapam
O sentido objetivo também
Estas reflexões me matam,
mas revivo e vou além
A dor dói e eu repito a frase
Que eu não morra cedo e com medo
de sempre ser QUASE
A dor dói, mas me situo
Reparo, enfim, que tremo
De longe eu a vejo
Distante eu aceno
De perto eu a beijo
Aberto e sereno
A solidão que sinto
poetiza todo o meu cansaço
Nunca mesmo eu minto
Busco o meu próprio espaço
De Vidas me tornei faminto
Afrouxo quando me aperta o laço
Entretanto, sigo firme e distinto
Na indecisão de cada novo passo
O sofrimento bate na porta fechada,
mas a melancolia
é a rainha desta nova madrugada
A dor realmente dói
e chega o sono
para quase todos
O resto do mundo dorme
Exceto os demônios do fogo
Entretanto, estes nunca estão aos prantos
Assim nunca se esquecem de lembrar
A dor realmente dói
Aqui ou em qualquer lugar.

Coisas Pequenas

O inferno é apenas a mais violenta das metáforas. Fecho os olhos e me vejo nos fiordes, ainda que nunca tenha estado lá. Sinto que a minha alma pertence aos locais inabitados e gelados, ainda que a minha presença seja sempre tão expansiva e quente.

O inferno é a mais agressiva das metáforas. Nossos temores, sejam infundados ou não, trazem terror ao cotidiano e preenchem a mente, ainda que não exista razão consciente e real para que permaneçam nela. Revivemos automatismos e procuramos o sofrimento. O inferno não existe nos outros e sim em nós mesmos.

Fiz de mim o que não soube. Há coisas que ainda não digo por não estar preparado para dizer ou por não ter a convicção de que aconteceram. Será que devaneei acordado com pesadelos quase táteis? Inventei o que me atormentou? O que era real parecia sonho e imaginei coisas que eram mais palpáveis que a realidade que eu tocava. Vi o rosto do amor em um mergulho na imaterialidade de mim e chorei, perdendo-me pela primeira vez em décadas. Sorumbático avancei, mesmo que minhas pernas estivessem trêmulas e que o medo fosse sufocante. As trevas se aproximam para todos e não há como evitar. É preciso sobreviver.

Sei que continuar é uma necessidade e estou cansado de ver meu suor pingar vermelho. Sei que, vez ou outra, não me reconheci quando defronte ao espelho. Devo lutar pelas recompensas, ainda que eu já as mereça. Vejo-me abandonado e com a barba bagunçada e espessa. Fito meu rosto cada vez mais magro. Quando todas as portas se fecham, eu outra vez me ergo e me abro. Mostro ao mundo um pouco mais. Tento com um pouco mais de força. Arrisco com um pouco mais de coragem, pois a vida é uma estrada que se pega e milhares que se deixam. Despenco no chão, mas me levanto e caio de novo para me perceber capaz de levantar outra vez. Se perdi tudo é sinal de que não tenho mais nada a perder.

Induzir-se propositadamente a uma letargia de sentidos é uma atitude perigosa. Fechar os olhos para os próprios anseios e desejos e encarar a vida somente pela perspectiva alheia é correr o risco de matar a própria personalidade. Podemos estar enganados sobre tudo e essa consciência é simultaneamente libertadora e assustadora. Nossos amigos podem nos trair. Nossa família pode nos machucar. Nós podemos estar terrivelmente enganados a respeito de nossas certezas mais profundas. Nós podemos nos tornar antagonistas. Não somos maus ou bons. Todo vidro se quebra. Não há exceção para a regra. Somos frágeis e podemos nos despedaçar no chão, pontiagudos. Podemos fazer sangrar pessoas inocentes. Machucamos e somos machucados. Independentemente do desfecho, não somos anjos ou demônios. Nós somos apenas o que somos.

Acumulamos, assim, diversos equívocos e queremos o que queremos no momento exato em que queremos. A realidade me choca. Sobrevivo aos novos dias com a recordação de que tudo se finda. Lembrar da morte reforça o sentido da existência e torna nossa jornada mais linda. Não é errado ter suas balanças, mas tente ser coerente sempre que usá-las. Não feche os olhos para quando as pessoas que você ama fizerem coisas pesadas. Todos somos capazes de tudo. Valorize quem por mais vezes desconsidera a forma e exalta o conteúdo.

Nem tudo é dito, mas tudo é demonstrado. Coisas menores devem imediatamente serem deixadas de lado. Não aceite tudo e não se faça mudo. Não adianta fingir que a vida não é cheia de problemas. Aquele que não sabe perdoar apenas conheceu coisas pequenas. Supere essa quantidade enorme de desconfortos. Você pode tudo desde que ainda não esteja morto.

O paraíso é apenas a mais confortável das metáforas. Fecho os olhos e me vejo nos fiordes, ainda que nunca tenha estado lá. Sinto que a minha alma transborda cada vez mais através de minhas atitudes, mas precisei errar muito para começar a acertar. Senti como se estivesse por um fio, mas através de epifanias me encontrei. O frio que senti nos climas mais quentes foi a maior prova de que me enganei.

O paraíso é apenas a mais confortável das metáforas. Ele também não existe em um lugar mágico e etéreo ou nos outros e sim dentro de nós mesmos. É comum que cada pessoa almeje um lugar tranquilo no qual possa repousar. A vida costuma ser tão dura que, às vezes, a gente só pensa em se deitar. Desta forma, procure valorizar quem aparece na sua memória quando você percorre suas estradas para locais seguros. Pense mais em construir pontes e menos em erguer novos muros.

Respeite seus limites e cresça um pouco a cada novo dia. Os seus erros não te definem, assim, arrisque-se com novas tentativas. Mostre a sua fibra e o tamanho da sua coragem, principalmente quando o mundo provocar todos os seus medos e reproduzir essa imensidão de horror. Quando a maldade de derrubar, lembre-se de que você pode se levantar, sorria e revide com amor.

Os amigos.

“A amizade é o conforto indescritível de nos sentirmos seguros com uma pessoa, sem ser preciso pesar o que se pensa nem medir o que se diz”. George Eliot.

Parte 3 – Os Amigos.

As crianças talvez saibam mais que os adultos sobre os rótulos e me recordo de inúmeras crises de ciúmes que os meus amigos costumavam ter na hora de ostentar suas amizades como verdadeiros troféus. Seria tão errado ter essa espécie de ímpeto possessivo? Tive grandes amigos ao longo da vida, alguns inigualáveis, todos certamente singulares. Sei que decepcionei alguns, mas também fui enxovalhado e até traído por vários. Alguns me colocaram nos melhores lugares para os voos incríveis que fazemos ao longo da vida e outros me fizeram conhecer o sabor de uma traição que chega de um lugar completamente inesperado. Afastei-me de uns e outros algumas vezes por mudanças de cidade, de rotinas, de estilos de vida, mas fica a calmaria do coração bem resolvido, seguro, quando me invade a consciência de que sempre aproveitei o melhor do meu tempo ao lado de quem andava comigo. Gastaria horas escrevendo um pouco sobre cada amigo, mas hoje venho aqui para falar apenas de dois.

O Gabri é um cara quieto para quem não o conhece, mas é muito bem-humorado. As nossas piadas e referências internas nos fazem ficar horas e horas brincando e rindo. Eu, ele e o Luís brigamos em um momento do ano passado por uma coisa estúpida e nos afastamos. É estranho se ver em um nível de intimidade tão grande com as pessoas ao ponto de sentir o peso da ausência delas se arrastar pela rotina. Lembrei-me inúmeras vezes das mesas de RPG, do dia que nos conhecemos e de como pude sempre contar com o Gabriel desde o instante em que era certo que podia chamá-lo de amigo. Quando reatamos a amizade e nos retomamos, o alívio que eu senti foi imenso e foi como se nunca tivéssemos nos distanciado. Certas pessoas percorrem atalhos. Ele ainda voltou em grande estilo antes do meu aniversário e trouxe para minha mãe e para o Luís a ideia de fazer o vídeo, qual ele também editou com Ghibli e Mumford (o homem me conhece muito bem). A briga feia, a resolução, a amizade que não se apaga do dia pra noite, faz com que eu me lembre de uma das minhas cenas favoritas dos meus animes de infância. No final de Digimon 1, o Taichi aguarda pelo Matt, mesmo que os dois tivessem tido uma briga feia, para enfrentar o Piedmon, o mais perigoso dos Mestres das Trevas. Quando o Matt chega, emocionado, diz “eu vim por você, amigo” ao que o Tai responde “eu sabia que você viria”. O Gabri nem sempre é delicado, mas sabe o valor de uma amizade e aprendi que ele sempre estará aqui por mim.

Discorrer sobre o Luís é uma missão ainda mais difícil, mas já me gastei centenas de vezes para tentar convencer os outros de que este cara é um em um milhão. Os outros, na verdade, realmente não importam, mas marco essas palavras, pois realmente quero que ele não se esqueça. Brinco que tive que trazer de fora um melhor amigo, pois não foi fácil a minha jornada até encontrar alguém que me entendesse e dividisse tanto a jornada humana como a jornada de escrita comigo. Dessas tantas coincidências ou predestinações, é sempre saudável lembrar que foi o próprio Gabri que nos uniu pela primeira vez e desde então somos inseparáveis, até mesmo quando nos separamos. O Luís sempre esteve e ainda está comigo desde o primeiro dia de nossa amizade e isso é raro. Suas qualidades falam sempre mais alto que seus defeitos e gosto de destacar o quanto o admiro e o acho corajoso, alegre, leal, paciente e companheiro. Ele também é o cara que nunca passa a mão na minha cabeça e sou grato por ter alguém assim na minha vida. Muitas vezes se confunde o querer bem com o querer pelo outro e o Luís nunca quis fazer as minhas escolhas por mim, pelo contrário. Ele sempre me ajudou a me manter localizado em mim para que eu pudesse ser sempre eu mesmo e me responsabilizasse pelas minhas próprias ações. Ele é o tipo de cara que sobe descalço junto com você em uma escadaria gigantesca e nem reclama das queimaduras nos pés. Ele se inflama com as injustiças, admitindo que às vezes até mesmo ele pode causá-las. Ele é o cara que não se preocupa em tirar as fotos mais bizarras juntos comigo e que pulou dentro do barco, logo depois de mim. Ele é o cara que não pegou a Marina Ruy Barbosa. Ele é o cara que corre para pegar o último ônibus da noite, mesmo que esteja exausto, para ir até a sua casa quando desconfia que você não está bem e recentemente foi o cara que veio morar comigo por quatro dias, quando eu não tinha forças para lidar sozinho com as dores da culpa e do luto.

Assim, por essas palavras sucintas do meu coração prolixo, eu espero que cada um de vocês absorva um pouquinho da imagem que sustento de vocês e saibam sempre que são esplendorosos aos meus olhos. Eu os admiro, eu os quero bem, eu celebro suas vitórias e sou mais triste quando vocês não estão bem. Obrigado por serem exatamente como são. Obrigado pela amizade mais sincera que eu poderia pedir. Eu amo muito vocês!

Aos outros que ousarem ler este texto, peço apenas para que se lembrem de que os números não são tão importantes assim. Se você conseguir um ou dois amigos como são os meus, eu espero que os valorize sempre e reconheça a sorte que você tem.

Os números realmente não são importantes, mas reconheço o privilégio de ter quase quinze pessoas que gostem muito de mim pelo que eu sou, sem tirar qualquer defeito e sem disfarçar qualquer qualidade. Admito a raridade que é me sentir bem por ser bem cercado, sem ter medo das pessoas, que outrora na minha vida já me foram muito assustadoras. Agradeço o milagre de ter pessoas que se compadecem da minha tristeza e celebram os meus sucessos e alegrias. Hoje falei só do Luís e do Gabriel, protagonistas recentes na minha vida e também pessoas que me resgataram nesses dias dolorosos que passei em fevereiro e março, mas eu nunca me esqueço de quem divide as jornadas e compartilha os caminhos comigo. Eu amo muito TODOS os meus amigos e, embora alguns possam ficar enciumados como as crianças citadas no início do texto, eu só quero dizer que vocês não foram e nunca serão esquecidos. Vocês são extremamente importantes. Fiquem bem!

Véspera

            Amanhã é meu aniversário e outra vez não haverá celebração. Consterno-me com isso? Se devo reconhecer algo é que o meu aniversário do ano passado foi excelente, apesar dos pesares. Dois mil e vinte foi um ano de altos e baixos, mesmo com a morte de milhares. Eu realmente gostaria que o cenário fosse mais auspicioso e que toda felicidade não me parecesse tão distante assim. Quando o caos do mundo faz um barulho ensurdecedor, você consegue se manter reto e discreto com a memória do amor? Quando tanta gente fala, você se cala e escolhe o que é melhor para você ou fecha os olhos numa jornada hedonista que visa só o prazer? Os outros sabem pouco e pensam saber tudo. Sei que estive perdido e solitário por tantas noites que, às vezes, eu sinto que definhei sozinho em uma madrugada de janeiro e fui esquecido para sempre. Sinto que minha mente de ficcionista, expansiva e dominante, criou novos mundos para que eu pudesse existir, pois mesmo derrotado eu nunca fui o tipo de pessoa que desistia de algo tão precioso como a vida. Por onde andei? Alguém realmente me procurava?

            No início do ano, eu estive presente no hospital no dia do nascimento do meu sobrinho e sempre me sentirei privilegiado por essa oportunidade. Tantas caminhadas na praia das dunas e como consequência apenas sol e alegria nenhuma. Minto. Estar próximo do meu irmão me trazia felicidade e poder abraçar ele e seu filho no dia 04/01/2021 vai ser sempre das maiores coisas frágeis que pude contemplar na vida. É estranho, mas tento me agarrar nestes pequenos milagres para seguir adiante com coragem e não pensar na gigantesca onda que quase me afogou. Fui empurrado até o fundo do oceano por essas coisas horrendas e tudo o que eu sentia na boca era o gosto de água salgada. Lembro-me da nossa primeira despedida, depois de dias, depois de tantos jogos compartilhados e risadas e açaís e sorrisos… ainda meses antes da chega do pequeno Rodrigo. Os rituais lentos de Matheus, os meus gestos rápidos, a cumplicidade de quem se importa em se lembrar ressaltando a importância de não se esquecer no meio do processo. Eu te amo como você é, mas você pode ser melhor, eu disse para ele e absorvi meu próprio conselho. Eu sei que me agrada, mas não sou viciado na imagem que se reflete quando olho no espelho. Fosse eu viciado na própria imagem, tentaria viciar os outros nela também e assim adquiriria coisas por atalhos. O hedonismo me diz que devo desfrutar de todos os prazeres, ignorando todo o resto, se o posso. Sou esta figura narcisa retratada por Wilde a mais de um século? Matheus então zomba de quem precisa tanto da própria imagem. “Não é você que me diz, Dani, que quem só olha para fora nunca enxerga o que existe dentro? Temos defeitos, irmão, mas podemos mais”. Sempre pudemos. Choro ao me lembrar de como alguém esquecido como ele foi capaz de gravar minhas palavras. A ilusão é o primeiro dos prazeres e muita gente se contenta com as mais baratas. Detesto essas ambições tão rasas. Volto na questão. Poderia eu ser retratado por Oscar Wilde?

            A resposta negativa me fez suspirar longamente. Não sou e nunca serei escravo da voz alheia, mesmo que reconheça o poder do privilégio. Todos fitam sua imagem e você tira vantagem destes tantos ébrios. O sorriso pernicioso percorre atalhos e você se pega em um ponto complexo, ainda que simplório. O que pensaria ao fitar seu corpo no próprio velório? Você encara a velha confusão entre quem se perde nas definições de liberdade. Até mesmo os mais livres se pegam, de quando em quando, contemplando seus dilemas morais. Vivi, chorei, acertei e até me emocionei. O que é que faço de mim quando me reconheço? O que eu me represento se nem eu mesmo me obedeço? Fiz de mim o que não soube? Amo-me o suficiente, mas por vezes desejei ser qualquer um que não fosse eu. Busco estradas para locais seguros, mas piso em armadilhas óbvias e me machuco. Os réprobos me salvam, mas querem compensação. Sinto que os compenso, mas será que realmente os compenso? A realidade dói quando sei que mereço coisas boas e elas se afastam. A vida inteira parece um teste de matemática e não tenho minhas professoras para me tranquilizarem sobre os números. Quando o mundo se apaga, vozes traiçoeiras nos empurram. Às vezes os mais próximos nos afundam. Parto para o ataque e me reteso. Não acredito em Deus, mas às vezes rezo. Posso mesmo carregar todo este peso? Admito que tropecei muito e até me perdi de mim. Será que tudo tinha mesmo que ser assim?

No meio desta cronologia maluca, eu me peguei desconhecendo as razões de fazer o que eu fazia. Vivi incontáveis madrugadas de silêncio violento. O tiquetaquear do relógio ribombante transforma meu coração em uma bomba relógio. Se eu explodir esta noite estarei completamente sozinho. Pelo menos meus destroços não machucarão nem mesmo meus vizinhos. Penso mesmo na saúde do vizinho de casa? Eu que sempre fui rei dos céus nunca mais pude abrir minhas asas. Estranho é deixar de pensar nos outros quando os outros sempre estiverem em primeiro lugar no meu coração. Sofri e quase me afundei. Nos meus instantes de força bruta e lucidez, eu nadava até a superfície e recuperava o ar. Algumas pessoas me puxavam de volta para me chutar para o fundo do mar. A solidão crescia no meu peito enternecido. Cada dia eu era mais cônscio da vileza do mundo e da quantidade de perigos. Endureci sem nem perceber. Senti a minha força expansiva de sonhar esmorecer. Talvez a vida não seja muito mais do que sofrer e fazer sofrer. Talvez devamos valorizar os que nos ensinam sobre Beleza e Dor.

Continuei a ver a vida, mas deixei de senti-la. Andava, mesmo que não sentisse minhas pernas. Comia mecanicamente, como alguém que se esquece de que nem todas as refeições carregam o mesmo aroma e sabor. Flutuava pelas noites e dias como uma sombra discreta de mim, eco distante da minha totalidade. Não sentia vergonha de coisa alguma. Não sentia orgulho de coisa alguma. Tornei-me fantasma. Deixei de escrever e senti que havia perdido tudo. Sabia, ainda que não trabalhasse para me evitar, que se me perdesse das palavras estaria desmaiado para com a verdadeira vida. Não tinha força para buscar tudo o que estava longe. O que me fazia continuar? Os milagres que eu já tinha visto ou os que eu esperava ver? O que me levava ao autoabandono?

Até hoje não sei identificar com precisão o momento em que eu me afastava dos caminhos que tanto amei, mas olho para minhas culpas e as enfrento, mesmo que elas ainda me assustem de quando em quando. Nunca clamei por atenção, mas há outras maneiras de gritar socorro. Só não sucumbi pela presença dos meus gatos e do meu cachorro. Só os medrosos podem agir com coragem. Só os valentes caminham para a escuridão quando o resto do mundo congela, mesmo com as pernas trêmulas.

Sou fogo que arde e minha luz iluminou, no mínimo, uma dezena de pessoas, mesmo quando me esqueci do meu valor. Oscilo, mas continuo em frente em nome do amor. A vida é difícil, mas ainda vou existir longe, brilharei no horizonte durante minha próxima cena. Serei sutil e profundo como um poema. Sei que muito errei e que de quase nada sei, mas viver sempre vale a pena.

A virada de fevereiro para março me trouxe de volta velhas novas esperanças e o sabor esquecido de uma felicidade real. Vivi noites de natal em pleno carnaval. Sofri e aprendi. Errei e me aprimorei. Sou o mesmo, mas sou alguém melhor. Sinto que quando olho, encaro o cerne de tudo e me sustento em temperança. Se tenho a oportunidade para mudar tudo com as minhas próprias forças, eu sei que um dia por vez vou perseguir o que sempre quis. Nunca mais nessa vida subestimo a oportunidade de ser feliz.

Sinto falta de muita gente, mas ando destemido e contente, agindo como um adulto, mas mantendo meu coração de menino. Não sei o que haverá pela frente, mas sinto segurança no coração e na mente para correr atrás do meu destino.