Sonho Lúcido

Flocos gelados despencam do céu
Derretem em contato com minha pele quente
Este sonho lúcido é muito antigo
Observo um campo florido e um lago
Reparo que o reflexo na água não é o meu
Eu enxerguei o seu rosto desde a primeira vez
Eu soube desde o primeiro encontro
que eu nunca me esqueceria do seu nome
Os batimentos cardíacos das estrelas estavam altos
A ansiedade do Universo criava uma tensão nova
Divindades matreiras falavam por metáforas
Será que algum dia estive acordado?
Flocos gelados despencam do céu
Derretem em contato com minha pele quente
A febre que sinto nunca mais passou
Os fantasmas que existem me zombam
Ridicularizam-me pelos grito que não gritei
e por todas as flores que amo e morrem
A vida é fugaz e o próximo verão se aproxima
Eu soube desde o primeiro encontro
que eu nunca me esqueceria do seu nome
A cadeira reclinável do avião estava quebrada
e eu queria te contar que vi colchões nas nuvens
Flocos gelados despencam do céu
Distantes da minha pele quente
A febre que sinto nunca mais passou
O futuro é uma brincadeira de mau gosto
Personificam em mim esperanças e promessas
Sorrio e a tristeza marca meu semblante
Sou como um Deus esquecido e não choro
Sou como um Deus esquecido e faço o que devo
Gotas de chuva despencam do céu
Molham minha pele durante a caminhada
Estou em uma praia de areia branca e mar bravo
Sou como um Deus esquecido e não sangro
O sal das lágrimas é igual ao sal do mar
Deixo pegadas por onde passo
Os fantasmas brincalhões me perseguem
E os cavalos nas dunas soam como um milagre
lúcido o bastante para dois mundos
Fecho os olhos e me perco das convicções
Este sonho lúcido é muito antigo
E eu soube desde o primeiro encontro
que eu nunca me esqueceria do seu nome
Agora a vida segue e me torno melancólico
Sou como um Deus esquecido e não choro
Estou conectado com algo imenso e terrível
O nome que preciso proferir ainda não foi inventado
Devo conhecer o nome dessa coisa antes de ir
Mergulhar na escuridão profusa do céu noturno
Essa jornada é extremamente solitária
Flocos gelados despencam do céu
E desejo sentir o gosto da neve
Ainda que morra congelado
Este sonho lúcido é muito antigo
O sangue escuro está em ebulição
Abandono todos para compreender
Livro-me de tudo para ir mais longe
Agora a vida segue e me torno melancólico
Tudo é fugaz e o próximo verão se aproxima
Mas eu soube desde o primeiro encontro
que eu sempre me lembraria do seu nome. 

Publicado por

drpoesia

Escritor de hábitos relativamente saudáveis que gosta de escrever crônicas, poemas, contos e principalmente romances de ficção fantástica. Três livros prontos, porém, ainda sem publicação física. Trimestralmente faço o registro dos meus novos textos no Escritório dos Direitos Autorais. Tenho 27 anos de idade e sou formado em Direito. Creio no amor, embora o sinta meio ingrato neste ano. Só posso ser quem eu sou e é assim que vou continuar. Confio no mestre Leminski. "Isso de querer ser exatamente aquilo que a gente é ainda vai nos levar além". Se você continuou até aqui espero que conheça meu blog aqui na WordPress e que possa dar uma visitadinha nas minhas páginas de poesias no Instagram e no Facebook! Obrigado! Volte sempre!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s