Não tente me entender.

Não tente me entender
se nem a mim, eu mesmo faço sentido
Não tente, se poupe, se economize,
Sou repleto de contradições
Sou insano e imprevisível quando
abandono todas as minhas convicções
Sacralizo minhas profanidades
Vi-me velho, satisfeito e distante
Vislumbrei meu futuro numa alucinação
de uma noite de dores lancinantes
Prostraram-se de joelhos e se sentiram humilhados
No torpor só soube que não humilhei ninguém
Estava febril sem estar doente
Rosno e expulso para longe
os que nunca recuperam a compostura
Eu erro bastante e me recupero
Uma vez mergulhei em olhos hipnóticos
nunca soube se realmente voltei
A Existência é uma piada e tantos
de nós não possuem senso de humor
Engulo Galáxias no café da manhã
com os cereais e as frutas e o iogurte
Tudo isso me parece inevitável
Jogaram uma bomba no meu colo
e esperaram que eu explodisse
Ainda estou aqui, vocês notam?
Bebo meu café fumegante
Afasto para longe de mim, eu mesmo,
com todas aquelas velhas quinquilharias
Quem foi que disse que acumulador de restos
sempre esconde alguma poesia?
Talvez eu tenha me livrado de tudo
Talvez espero que se livrem de mim  
Se você acha que eu me importo
provavelmente você está certo,
mas meus interesses não subsistem
Nada em mim é tão duradouro assim,
Exceto aquela velhas promessas
bem como todas as chaves que encontro
Um dia abrirei todas as portas,
 apenas para escapar por uma janela
Como nos tempos da juventude
onde o meu único prazer era inovar
nos jeitos de fugir das aulas
Até hoje, de quando em quando,
pego-me em reflexões profundas
Do que é que eu tanto fugia?
Não tento me entender e por isso
espero que você não tente adivinhar
porque acelero quando tudo se acalma
Vocês buscam satisfação, desejo e sexo
Eu busco o rosto de minha alma
A satisfação, o desejo, o sexo,
isso tudo já busquei um dia também
Nessas tantas buscas por sabe se lá o quê,
eu, enfim, me percebi refém
Sem revólveres apontados para a minha cabeça
Apenas idólatras patéticos sussurrando
“Cresça, cresça, cresça”
Foi então que cresci,
mas quem ata altura ao tamanho
Quem se propõe a aventuras só pensando nos ganhos
Não sabe nada do que deveria saber
E mesmo eu, na dureza da lida, ainda me valho
de saber que não devemos ir tão longe assim
Cansei de tentar entendê-los
Por isso reforço o primeiro pedido
Não tente me entender
Homens dormem, morrem e nascem
Um dia nasci, hoje mesmo dormi,
sei que eventualmente vou morrer
Você tentou me perscrutar ontem,
Volte dois passos, amarre seus sapatos
Faça arames com os cadarços
E vá foder
Não tente me entender,
O saber é inútil
Os esforços são vãos
Sobreviver é a tarefa do fútil
Distraído por uma única canção
que fala sobre barcos e navegantes
Minhas costas doem e a minha nuca
prova que os meus limites são fracos
Quero ser a camisa que entorta o varal,
mas seco demasiadamente rápido e me torno leve
Flutuo pelas ruas como um floco de neve
Conheço um artesão culinário com cabelos cor de areia
Ele não tenta me entender
Observo uma mulher mística
que muda de aparência a cada nova manhã
Ela não tenta me entender
Eles são quem são e se bastam,
Eu sou quem eu sou e me basto,
ainda que em alguns dias eu queira ser outra pessoa
Raramente sinto que enxergo na visão dos outros
E vejo silhuetas fantasmas que dançam
Eu dançarei com você até o fim da próxima música
Fico por último para não deixar ninguém para trás
Ainda que eu não me importe com isso
de vida, morte, amor e sorte
A memória é um tesouro
Conheço-me o bastante para saber
Teria dinheiro sobrando se nunca tivesse
largado o antigo trabalho
Que vida medíocre e opulenta me esperaria?
Conheço-me o bastante para não conhecer
Entro e saio de dietas e quando rezo,
nas noites raras em que falo com o Criador,
peço até pelo bem daqueles que detesto,
Talvez nem o Criador tente me entender
Eu sou simples o bastante para não valer a pena
Complexo para não compensar o tempo de estudos
Quando o resto do mundo fala, eu me torno mudo
Não quero opinar sobre coisas que não sei
nem amar coisas que não amo
Quero descobrir o nome de minha alma
quando solto meu corpo no oceano
E volto salgado
Tudo muda o tempo todo
Os dias parecidos nunca são iguais
Alguns novos começos se parecem tanto
com os velhos finais
Cuidado com as assombrações
Cuidado com o sentir dos sentidos
Desejaram a minha morte por ser prolixo
Por mim, hoje, apenas hoje,
Espero que o mundo se esqueça de mim
Quero existir no limbo
Profano, sagrado, magro, mago, sozinho
Quero existir na noite infinita de outubro
quando o frio chegar, eu subo o edredom e me cubro
Não tenho tempo para o que não quero ter
Você não me verá agindo como um palhaço de circo
Nem beijando a boca de qualquer pessoa
apenas para fingir que eu sou parecido com vocês
Apenas para fingir que eu sou suficientemente legal
Que se fodam os atores, bem como eu já me fodi
Maldito dia que o Inferno se apossou do meu Paraíso
na amada casa da Rua Ipacaraí
Criaturas nascem, criaturas morrem,
mas eu não queria que ninguém se afogasse
Não, eu não queria nada mesmo disso
E ninguém pode me entender
Por favor, não admitirei tentativas
A taça de vinho chegou muito tarde
e eu vomitei muito cedo
Algo no meu peito ainda arde,
mas sei que não sinto mais medo
Eu cheguei muito tarde
e até hoje não consigo transbordar
Não tente me entender
Não tente me achar
Não tente
Não respire ou
apenas respire e revolva para o interno
que nunca aguentou tinta
Olho-me como um perito e como um estranho
O que existe no fundo de meus olhos castanhos?
Escrevo textos razoáveis
Outro dia desses me especializei
em sentimentos alheios e escrevi sobre os venezuelanos
Fui pago para isso e mereci o dinheiro
Os venezuelanos merecem o destino?
Esqueça a empatia e pense em sobrevivência
e então quando for forte o bastante
Poderá se debruçar em outros papéis
Não tente me entender,
embora eu talvez já tenha tentado
fazer isso por você
Não por amor, mas por algo sublime
pelo próximo verso na ponta da dor
Por qualquer coisa que rime
Por ser prolixo da cabeça aos pés
Não cruze os limites,
Sim, apesar das aparências e dessa loucura,
viver sem regras internas e preceitos
é cometer suicídio emocional e intelectual
Tente compreender, aceite a liberdade,
até por não ser algo que te convém,
mas não confunda liberdade com permissão
Podemos fazer tudo, mas não devemos
Você ainda está tentando me entender?
Bobagem, você foi longe demais por mim
Vire a página, eu nasci para ser e não para me explicar
Eu nasci para fazer e até hoje pude amar
Não tente me entender
Como você espera se aproximar de qualquer
entendimento sobre os outros se
ainda se apavora com a solidão?
Eu vou te explicar, mas você não vai entender
A solidão é sal
E rochas
E crustáceos
A solidão é um resto de lixo
na praia que ninguém nunca
se voluntariou a recolher 
Como espera entender?
Preparei um café quente e chorei
Bebi o litro e meio que fiz
Nada aconteceu
Sem tremores
Sem amores
Sem sombras
Sem ilusões
Sem pensamentos
Sem corações
Sem coragem
Sem instinto
Sem selvageria
Sem demonstrações
Sem invernos
Sem infernos
Sem verões
Sem batidas na porta
Sem ligações
Sem tudo
porque tudo
é nada
Os dias acontecem
e nós todos acontecemos também
Não há prêmios e temporadas
Apenas dias amassados em cima de dias
Vidas como sonhos bons ou ruins
Esperanças e desilusões
Assim cada risada profunda
é um mergulho em água termais
Cada desejo compartilhado
é uma meta de vida que se cumpriu
ainda que essa meta seja simples
Ainda que se trate apenas sobre
comer pipoca no final da tarde de uma quarta-feira
Os atletas entram em campo para vencer
Nós acordamos porque precisamos acordar
Dormimos porque precisamos dormir
A natureza não pode ser vil,
pois mesmo os mais diferentes ainda são parecidos
Escarro no chão ao pensar que tenho algo em mim
semelhante aos meus piores inimigos
A natureza não pode ser vil,
mas os humanos podem
A razão superior não deve se sobrepor a razão inferior
As marés mudam conforme as fases da lua
Utiliza-se tudo para não defrontarmos o nada
Nascemos e corremos, embora não exista linha de chegada
Não tente se entender ou me entender
Inocentes morreram afogados
Vaidosos subiram em pedestais e aceitaram
atenção como um gesto de amor
O que já beberam para se mostrarem intocáveis?
Os narcisos não são melhores
Só se observam por mais tempo
Não tente me entender,
Anteontem eu me cansei de mim,
Exausto das minhas teorias e cálculos,
Enojado com meus planos de marketing,
Amanhã eu me renovo e recomeço
se porventura não me afogar em mim,
Eternidades se despedaçam,
Os heróis do povo me rechaçam,
E assim sei que estou no caminho certo
Nem são, nem santo
Nunca pouco,
Mesmo assim nem tanto
Amigo dos loucos
Repleto de encantos
Invisíveis
Não aceito que me digam quem sou
Como saberiam se nem eu sei?
Esqueço meus problemas
e durmo como um rei
Meu cachorro jaz perto de mim
Minha gata me cuida da sacada
Não há linha de chegada,
mas aprendi a amar a minha estrada
Não tente me entender,
Eu talvez seja tão banal como você,
mas meus crimes não são imperdoáveis
Ainda que o dano conte como dano
e nem tudo seja reparável
Amo quem merece o meu amor
Amo quem não merece também
Às vezes me vejo no Japão ou na Nova Zelândia
Às vezes me vejo ainda mais além
Interplanetário
Gatuno fugidio das sombras
Sombra fugida de ladrões
Cobri-me com um sobretudo e saí
para conhecer a Verdade
Tudo está em toda parte
e minhas partes se espalharam pela cidade
Não desejo que me procure, mas espero que me encontre
E assim saberemos que o Destino existe
Há coisas que vão e não voltam
Há o que existe e não aceita o abandono
Há melancias congeladas e bananas apodrecendo
Há cerveja, barulho, cachaça e água
Há o que existe e o que inventei
E penso às vezes que inventei tudo o que existe
Será que não criei todos vocês como minhas ficções
apenas para os dias em que o silêncio me incomodasse?
Será que vocês não fariam tudo o que eu pedisse
se eu chegasse mesmo a pedir?
Será que não os criei para que eu
tivesse como me impedir nas madrugadas de trevas?
Será que eu não existo desde o início das Eras?
Será que não estou sentado de pernas cruzas
em um trono ou afagando a mim,
eu mesmo, que não faço sentido,
num cafuné em meus próprios cabelos?
Às vezes me esqueço que minhas mãos
são realmente minhas e meus dedos finos
de pianista, nunca acharam seu instrumento
O vidro antes era areia
Eu antes era nada
Vim do deserto de Lugar Nenhum
Vide Noir
Esb Mub Sein
Frases, palavras, letras,
Água, fogo, planetas,
Pulei muros impossíveis
apenas porque quis
Beijei todos os animais
que encontrei pelo caminho
Sou um especialista em carinhos
Se me perguntam a razão disso tudo
Honestamente não sei responder
O vidro antes era areia
Posso ser pontiagudo também
Você não me entende, mas somos afiados
Capazes de ferir e sermos feridos
Eu me percebo distante e fútil
Quero tomar mais café e rezo
para que não tenha mais orações
Há desejos incomunicáveis e comunicações improváveis,
mas não há sequer um pensamento proibido
Os olhos são a janela da alma?
A minha alma precisa dos óculos e do vidro
Vocês talvez sejam mais estranhos do que eu
principalmente por tentarem me entender
O reflexo me agrada e me enoja
Pequenos progressos também me importam
Os espelhos pararam de quebrar em mim
Supostamente todo o meu azar se foi para sempre
Assim meus olhos correm
para a próxima cena
O tinteiro molha a ponta da pena
A minha loucura é um poema
da sanidade que nunca tive
Se amo objetos e insetos,
é claro que posso amar vocês
Não me oscilo tanto assim
Se nem eu me preciso,
quem é que vai precisar de mim?
Tatuei o meu corpo e me senti belo
Os trapezistas equilibram nas mãos
o peso exagerado deste mundo
Não podem nunca escorregar
Todos prendem a respiração
Ninguém me entende
Decido não aparar a barba
Pareço abandonado, mas não
Pareço embriagado, mas estou são
O time faz um gol e todos vibram
Estou buscando compreender
o que vocês todos se tornaram para mim
Estou buscando entender
que entender é inútil
Guardo inutilidades e cesso minhas buscas
Não, eu não tento descobrir ou saber
Queria que não se demorassem em tentar me entender
A dor dói quando dói e eu mesmo não faço sentido
Aconteço do avesso e às vezes sou feliz na tristeza,
Melancólico nos interlúdios de felicidade
Se acalme e tenha paciência
O tempo é um conceito
Eu não
Queria que chovesse hoje,
mas não aprendi a fazer chuva
Persisto seco, neste desterro,
neste caminho desértico de secura
Cautela com as mentiras que contam
Certas coisas sempre duram
Certas pessoas me dão a confiança
de sentir que posso fazer o que quiser
Assim, eu sinto que talvez não tenha
inventado tudo isso afinal
A vida e a morte não fazem sentido,
mas eu também não faço e sorrio
Sinto a brisa abafada em um início de tarde quente
E continuo sorrindo
Talvez eu não tenha inventado tudo
e isso me preenche de alívio
Não me entendo e continuo a sorrir
A ficção de meus pensamentos e atos
não forjou a probabilidade do que é real a mim
A Existência afasta os cálculos
E ainda que eu seja exato demais para ser humano,
sou exageradamente humano para ser exato,
Tudo bem, eu vejo que também falho
Posso querer coisas extravagantes
Posso querer coisas patéticas
Posso me tornar extravagante
Posso me tornar patético
Posso ser simples e incrível
Posso alcançar o impossível
e torná-lo possível, assim, meus pelos se eriçam
Sinto-me emocionado com uma estrela cadente
Seguro-a perto do meu coração
Tornamo-nos uma coisa só
Cadente, estrela, eu, fogo, areia
Uma peça única delicada como o vidro
Mobília singular no canto da casa
Criatura que voa sem ter asas
Os milagres existem e eu me emociono
Lágrimas salgadas escorrem dos meus olhos
Sinto o gosto do Mar e
da Alma na ponta da língua
Você desistiu de tentar me entender
acha que sou grandiloquente, mas pelas palavras
fica claro que cultuo tudo o que é frágil e pequeno
Talvez você tenha inventado tudo
O que sei é que eu não inventei nada
e tampouco me entendo.

Eu me cansei de mim.

Às vezes me canso de ser quem eu sou, mas me vejo preso em mim, como se a vida me zombasse em um dar de ombros. A vida, entretanto, nem é corpórea, portanto, como poderia ter ombros? Rio de mim, pensando que quase a vida toda tenho sido o mesmo, dentro da minha cabeça, distante deste pesado e coercivo mundo real. Distancio-me da realidade e de quem erra irrefreavelmente. Quero acertar mais. Quero errar mais. Quero o que nem sei, mas não costumo me repetir. Sou inédito nos detalhes, mas nunca aprendi a dizer a palavra certa na hora certa. Será que aprenderei? Queria antecipar a língua dos anjos, conjurar magias benévolas e simplesmente fazer com que os sérios pudessem sorrir. Sinto-me estranho. Faço o que me parece ser a coisa certa e deixo o orgulho de lado. É necessário se desculpar quando se percebe errado. Flocos de neve nunca caíram diante de mim, assim, a neve é tão irreal quanto os amanhãs que nunca aconteceram. O segredo para se ter dias agradáveis é pensar perto e existir longe. O agrimensor mede a extensão das terras. Quem mede a extensão dos homens?

Ainda ontem eu era criança e encontrava todos os tesouros que nunca procurei. Os insetos eram meus amigos silenciosos e a poeira subia como nuvens diante dos meus óculos. Os gatos de rua me observavam enquanto eu via o que só eles também viam. Os cães deitavam para receber o meu afago, pois sempre fui um grande entendedor de carinhos. Nem todos me viam, mas eu via todos. Nem todos sabiam o meu nome, mas eu memorizava todos os que conseguia. Coletava tudo o que encontrava pelo caminho, alimentando secretamente a esperança de utilizar uma chave perdida que encontrei no chão para abrir uma porta ou um baú. O que pensava ter, eu vejo hoje que não me pertencia e muito do que eu era, eu nem sabia ser. O charme dos que nunca foram charmosos, as mentiras boas, espetáculos de sombras e luzes, ligações telefônicas, duras verdades, vozes ofegantes, trotes, patas sujas de lama, juventude, o segredo dos ônibus noturnos, vácuos emocionais, discussões acaloradas, conversas mornas, vazios, ausências, as fases da lua, corujas, andarilhos perdidos e sinceros, o coração puro para os equívocos honestos e as coisas que exalavam o perfume do abandono. Tudo isso sempre existiu no retrovisor de mim, nunca abandonado, nunca sozinho, sempre sozinho, arredio, carinhoso, evasivo, difícil, muito sorridente, muito sério, singular, expansivo, discreto, por anos e anos sem me encontrar com uma alma parecida. Eventualmente, no futuro, eu encontraria algumas, mas enquanto se espera sempre se demora e a rotina pode ser tortuosa no constante correr das horas.

Envelheci mais pela experiência e pelos grandes diálogos do que pelo decorrer do tempo. Ninguém sabe para onde foram os anos passados. O descaso é uma bênção e uma maldição. Eu hoje não sei o que procuro, mas analiso com paciência tudo o que encontro. Ontem mesmo borboletas saíram de dentro do armário. Percebi pelo evento que, vez ou outra, nada faz sentido. Há tanta ficção no meio destas coisas concretas que desconfio da realidade e me sinto perdido. Tudo hoje me parece possível e rio outra vez de minhas futilidades. Oscilo como os gênios e os preguiçosos, cônscio de que sou absolutamente comum. Suspiros duradouros nos interlúdios que faço em mim. Será que tenho feito o meu melhor? O otimismo, de quando em quando, exaure-me. A minha inteligência, de quando em quando, aborrece-me. Quando tudo decorre de acordo com minhas previsões, noto-me furioso. Particularmente me acho patético e incrível quando tropeço ou bato meus ombros nos lugares de sempre. É como se o meu cérebro se desligasse para uma realidade óbvia, assim, meu desastre se torna um fator novo e sinto uma raiva latente e real da minha memória, apenas por não ter conseguido antecipar a dor. Como trombo nos mesmos objetos se eles estão no mesmo lugar?

Às vezes me canso de ser quem eu sou, mas por estar preso em mim, não luto para me tornar alheio. Essas tantas camuflagens me parecem deploráveis e esses tantos disfarces atiçam o meu lado sombrio. O cansaço de todas as hipóteses, os inutensílios que acumulo pelo caminho, as fragilidades que me fazem sensível, as sombras que nos perseguem, tudo o que é diante de tudo o que poderia ser e do que nunca será. Tudo isso me cansa e me pune, assim, repleto dessa exaustão mental, noto minhas lágrimas escorrendo outra vez. Não desvie teus olhos dos meus, acaso me perceba chorando. Eu aprendi a não ter vergonha de derramar o meu sal. Somos mais que as partes que nos formam e, vez ou outra, talvez você também se canse de ser quem é, apenas pela falta de um tipo específico de descanso. Aceite-se, ame-se, perdoe-se e, enfim, erga-se. Eu aprendi que de olhos postos no chão, deixamos de enxergar a vida que acontece.

Às vezes me canso de ser quem eu sou, mas na maior parte do tempo ando de peito estufado, satisfeito por ter me aceitado defectível e inconstante, imprevisível, atento, viciado em cafeína e em detalhes. Decifro-me até me tornar outra vez um novo mistério. Sou o que sou e me amo, entretanto, percebo que posso mudar nos gestos mínimos e me tornar ainda melhor. Não me iludo com facilidade. Observo a vida com paciência e absorvo o máximo que consigo. A tendência é que amanhã eu seja alguém parecido com quem sou hoje, mas quem sabe o que serei daqui a uma década? Quem sabe o que posso alcançar? Tento ter calma. A vida é marcante por ser real, mesmo que a ficção se misture com o cotidiano. Devo lutar pelos meus sonhos, pelas vontades que são apenas minhas e lutar por um mundo melhor, não porque isso seja intrínseco a nós como seres humanos, mas que seja uma necessidade de sobrevivência da minha parte. Já fui vil, já errei feio, porém me noto acertando na maior parte do tempo. Procuro ainda pelo rosto que tinha antes da criação do Universo, mas não abalo o meu sono com as tantas respostas que ainda não tenho. Busco os meus objetivos grandiloquentes, ainda que muitos os achem impossíveis. Avanço com meu ímpeto juvenil no rumo do que me proponho. O agrimensor mede a extensão da terra, mas ninguém mede a extensão dos sonhos.

Eu preciso de uma carteira nova.

     Eu preciso de uma carteira nova. Eu preciso de uma carteira nova e não compro, não pela falta do dinheiro, mas sim pela falta de convicção na afirmação de que eu realmente preciso do que preciso. Eu preciso do que acho que preciso? Não sou consumista e nem extremista e quase nunca me deixo ser tomado por minhas futilidades. O que acontece é que a carteira atual está remendada em três pontos diferentes. O único ponto positivo é que ainda consigo guardar meus cartões com bastante segurança. Ela costumava ser preta à época que a comprei, porém, agora é de um marrom desbotado, cor de vida desgastada, forma de sombra exausta, rosto de passagem do tempo. Quem é que vê esses anos que voam?

     Às vezes tudo o que fazia sentir ou fazia sentido perde, você talvez tenha notado, subitamente a singularidade. Compreensões nos fogem no momento exato da explicação, pois ainda que algo se derrame inexplicável, temos a mania persistente de teimar em enxergar quando nossos olhos se desacostumam a ver o que é preciso. Não queremos a bula e nem manuais, não temos tempo, dê-me apenas o remédio. Os detalhes, sim, como eu sempre digo, essas coisas frágeis e rápidas e até mesmo perigosas, essas coisas nos definem mais do que todo o resto. Essas coisas frágeis, sim, são absurdamente fortes na essência. O vidro quebrado ergue suas pontas para ferir, mostra que ainda pode te fazer sangrar. O ovo quebra fácil, mas suporta como poucos a pressão, o calor. E você nessa mania de inferioridade canta aos quatro cantos da cidade que não existe amor. Você acha que não o merece.

     No que é que você pensa quando sabe que ninguém pensa em você? Quem você não finge que é, quando sabe que ninguém vai saber? Os perfumes perderam o cheiro ou eu mesmo bloqueei minhas narinas? Não, eu preciso me acalmar. Tudo flutua por dentro, mas eu me sinto centrado. Vejo aqui e ali o que se vê com os olhos que se ganha da natureza e agradeço pelo privilégio de notar coisa ou outra. O Universo foi cruel comigo, mas com a minha idade já possuo maturidade para tolerar. Quando tudo ocorre errado, quando a vida gira ao contrário, eu me inverto e estou no lugar.

     Qual lugar, perguntariam, se existissem pessoas por perto com dúvidas, não sei ainda, eu responderia e sairia para a cozinha preparar um café. Leio Leminski, Poe, Solano, Martin, Exupéry e Saramago, um pouco de tudo na mesma tarde, antecipo aqui meu estrago, corpo largo estirado no deserto, consciência que lateja e arde. Levanto-me, como quem possui uma agilidade sobrenatural adormecida. Continuo, aqui e ali cicatrizado, sorriso largo, como se nunca antes houvesse feridas. Que é que se leva, perguntaram-me, desta vida?

     Eu gostaria que levássemos pelo menos nossas memórias. Queria que o Real Folk Blues tocasse no meu coração antes de uma evidente tragédia e que o telefone tocasse, sim, eu gostaria da excitação que antecede uma ligação, mas apenas se fosse para minguar a falsa paz que antecede a guerra. Reclamam de quem vive com a cabeça no ar, mas ninguém aprecia a terra. E as pessoas odeiam cada vez mais a ligação, pois a fala imediata reflete a necessidade de uma resposta urgente. Por mensagens e áudios gravados a gente disfarça o que sente. E o que levar desta vida, volto-me, notando que me perdi em pensamentos. E eu honestamente também gostaria de levar embora o meu cão. Ele dorme e acorda habitando o espaço mais próximo do meu coração.

     Perdi-me de novo e ontem mesmo a chaleira do ovo quase explodiu. Onde é que ando com a cabeça, se ela parece no mesmo lugar de sempre, mas já não a domino? Que é que se sente quando por dentro quente, a invernia transborda pela pele gelada do exausto menino? Quem sou eu que não sou poeta, mas rimo?

     E minhas olheiras agora marcam e eu não era cansado assim. E outrora como Pessoa tive todos os sonhos do mundo em mim. Os óbvios olham e dizem “você parece cansado“. E meus músculos murcham e eu nunca ficava três dias seguidos sem me exercitar. E as pernas tremem de quando em quando, mas caminho. Agora eu não correria nem que pudesse. Logo mais desconhecidos acenam, notam sua presença, conforme você agora se esquece. Os olhos avermelhados, o suor, o instinto, você vê, cansado de ser sobrepujado por razões inferiores, exausto de ser cercado pelas mesmas cores. Apostando, uma vez por ano, todo tipo de plano em novos amores. Que é que se faz com o que resta das dores?

     Na era da ascensão financeira, eu juro, eles dizem que amor é pura bobeira. Talvez eles estejam parcialmente certos, pois eu ainda não os refutei com incontestáveis provas. Eu aqui, madrugada adentro, evitando todo o esquecimento, recordo-me de que preciso de uma carteira nova. E tenho feito o meu melhor e isso, eu digo e repito, é bom o bastante. O que importa é não permanecer o mesmo de antes, porém, uma espécie de energia má e assassina tenta me derrubar. Tenho feito o meu melhor, mas um dia todos vão me deixar?

     Suspiro profundo, eco da alma, pele marcada pelo corte. Quando todos saem, evita-se a morte. Sozinho, imundo, mas com a mente calma, você se sente em falta ou se sente com sorte? Sente-se aqui, por favor, bem pertinho, bem do meu lado. Narre-me sua história.

    E as ondas quebram, eu sigo inteiro.
    E no mar em tormenta, eu me torno timoneiro.
    E no olho do furacão,
    eu entrei em um balão,
    em busca do que é Verdadeiro.
    Podemos desperdiçar tantas flechas ou
    o tiro deve ser certeiro?

    Perco-me, acho-me, conforme a madrugada segue. O filme qual eu estava gostando agora está pausado e neste momento sou o deus que decide se essa história termina ou não. Encontro-me e perdoo o que passou. Minha alma já não passeia em cidades fantasmas com a memória do que ressonava como amor. Eu talvez já saiba de tudo, pois imaginei de modo tão real que pude sentir. Vivi tantas vidas em ficção, que, às vezes em realidade me sinto com um pé na cova. Eu tanto divaguei e descobri que me derramei em palavras exageradas, quando só queria mesmo uma carteira nova.

O demônio do fogo

Há um demônio do fogo 
dentro do meu ser
Desobediente
Incontrolável 
Alimentando-se de tudo o que se move  
Apenas para sobreviver
Há um demônio do fogo
queimando o meu coração 
Cada vez mais expansivo 
Ele urge para sair 
Cada vez mais invasivo 
Ele não quer mais dormir
Cada vez ele mais eu 
E eu mais ele
E ele ainda mais eu
do que eu ele

Mas nada
tão separado

nem possessivo
que possa chamá-lo meu

Nós aqui divididos 
Até o dia em que seremos uma única coisa 
Não hoje, mas talvez em breve
O resto do mundo nunca interfere na nossa relação
Tudo o que me toca e fere
Vira carvão Até minha própria pele
às vezes parece vulcão
Sou um eco solto de
Destruição
Nunca sozinho
Duplamente
em ebulição
Evite-se a
Erupção
Quebramos todas nossas leis 

Assim que fazemos
Só importa o que sei
Ainda estou aprendendo
Quem recua mata
a vontade que está nascendo

Há este demônio do fogo 
Convive comigo nas noites e nos dias
Às vezes me fustiga e outras vezes acaricia
Ele é tão capaz quanto eu
Guardião estranho e improvável 
Protege-me com suas chamas
Ainda que apareça até quando não é chamado
Este demônio é atrevido 
Extremamente ousado 
Inconsequente
Presunçoso
Por vezes perigoso
Infante
Arrogante
Distante
De quando em quando
eu e ele nos desentendemos 
Eu busco agir racionalmente 
Ele quer queimar o mundo
Trinca os dentes num esgar horrendo
Mostra sua agressividade
Ninguém ousa um passo a mais

Queimamos juntos o que cruza o nosso estreito caminho 
Ele me observa sorrindo 
completamente zombeteiro 
Sabe que eu aguento o que poucos aguentam
Diz baixinho “até quando”?
Mando ele calar a boca
Aqui sou eu que mando”
Ainda assim ele gargalha, pois 
todos fracassam nessa batalha
Contra os males do mundo
Sussurra nos meus ouvidos 
“Um dia você vai incinerar tudo com a minha ajuda
Cedo ou tarde a crueldade do mundo te muda” 
Ele às vezes soa tão tolo
Nunca sabe o que fala
Era melhor ter
abraçado o silêncio
Era melhor ter engolido
o sol no lusco-fusco
Tudo o que não tenho
Ainda busco

Ganância
Garra
Algo parece vago
Inquieto, ele me cutuca
como se apagasse um cigarro em mim
Não pôde fazer o que deveria
Diz que não coleta mais
Tudo o que recolhe
em seguida descarta
“Nada nas mãos nunca
É disso que somos feitos”

A última coisa que ele
segurou foi o brilho da lua
Ainda assim um instinto
estranhamente pacífico
Fez com que o demônio a soltasse
Talvez alguns mereçam
morrer de frio pelas traições
Na Islândia, Rússia ou no Canadá
Alguém como eu poderia
derreter o continente por lá

Contradições como espadas
Do nada ao tudo e do tudo ao nada
Tento ser empático, mas estático,
reconheço-me fático
Está além da compreensão
Como além se somos quase
a mesma coisa?

Cada vez ele mais eu 
E eu mais ele
E ele ainda mais eu
do que eu ele

Não o entendo, mas o sinto
Inequivocamente triste
Ele não me entende também, porém,
solidarizamo-nos na

ausência de palavras
que engloba a vida

inteira que existe
O demônio é forte
Bem desconfiado
observo a minha sorte
Mal entendendo
Devaneio minha morte
Meu demônio a desafia
Como se fosse mais poderoso
que o próprio Deus
É bom tê-lo por perto?
Um demônio mau
pode ter utilidade?
Há um demônio do fogo
dividindo a morada do espírito

Ele já não me dá mais arrepios
Em certo momento nos
perdemos um do outro

Ele se parece comigo
E eu me pareço com ele
A alma eloquente se agita
no corpo que emudece agora
Regente perdido inconsequente
Consome com as chamas
Acelera o correr das horas

Mais inflamável do que
qualquer coisa que viu

Instável aguardando
uma faísca no pavio

O demônio se lança em mim
Cada vez ele mais eu
E eu mais ele
E ele ainda mais meu
Eu respiro fundo
para tentar não me perder
Ele gargalha sonoramente, 
mas sinto o que ele sente
Queima com uma raiva
arroxeada e profunda
Instinto de ira indomável
Admite que todo fogo se apaga
Quem não sabe entender a mínima fagulha
não pode tocar quem é pura lava
Suspiro-me ou é ele que suspira
Há este demônio aqui e já não sei
quem é que controla a respiração
Para os outros não há comoção
Somos nós dois uma estação
Como o inverno ou como aquela que
leva embora para sempre um trem

Revestido de fogo nos fortalecemos
Quem é que pode me impedir?
Quem é que pode nos impedir?
Quem é que pode o impedir?
As lágrimas que escorreriam
evaporaram antes de tocar a pele
Não há nada em mim que gele
Sofro hoje como um mestre
O tédio me frustra
Vou queimá-lo

Faço o que quero e 
ninguém me impede
O tal demônio por vezes 

me personifica 
Por vezes agimos juntos 
Só em mim ele acredita
Ainda assim ele só
quer saber de queimar
Lançar labaredas dançantes 
para consumir tudo 
Incêndio incontrolável
Inefável
Intragável
Detestável
O demônio é sincero
Eu também
Odiamos mentiras
O demônio é direto
Eu prolixo
Ainda que às vezes eu seja direto
e ele enrolado também 
Há um demônio comigo
Ele me afasta e
me protege do perigo
Ele diz que é letal, mas
que é meu leal amigo
Como posso não confiar
em alguém tão próximo?
Não tenho escolha ou
Escolhi que fosse assim
Tudo de repente explodiu
Claridade no céu que

nunca mais se viu
De repente o meu fogo
e o do demônio

Espalham por
toda a cidade

E um sussurro quase mudo
nos revela desnudos
Há partes nossas por 
todas as casas
E há em corações alheios 
nossas brasas
E há o que eu nem imaginava
que poderia de haver
E há cinzas nossas que guardaram
E eu nunca iria saber
E a raiva cega minha 
que nunca pune
Transforma-se 
então em lume
Eu e o demônio 
não somos cruéis
Ainda que pudéssemos ser
Ainda que devêssemos ser
Só o demônio sabe o quanto
o sofrimento me arrasta na dor
E o que foi me enche de espanto
Ele tenta queimar tudo, mas não
nunca viu nada que tenha resistido
Recorda-me da frase que tanto gosto
“Seu coração é feito de coisa mais forte que vidro”

Num universo de tanta crueldade
Abraço o demônio antes de dormir
Eu me sinto tão lúgubre, mas volto a sorrir
Seguro a onda, aguento a barra, ajudo
Ninguém me nota na parte mais profunda 

Observo o mundo com sutileza
Vejo em cada cantinho
um pouquinho mais de beleza
Sou sozinho, mas me sinto fortaleza
Quem derruba estes portões?
Também ninguém sabe a senha

E lá vou eu sendo ele
Ele sendo eu
Absorvendo lindos olhos verdes
que queimarão em nós
Coloridos
Conquistar é
algo divertido

Queimamos como
fogo de fogueira
Numa diversidade de cores
No chão somos céu de estrelas
Mestres em tudo, exceto nos amores

Ouço ele acalmar a respiração
Acalmo a minha também

Eu mais ele
Ele mais eu

Algo sempre acontece quando
não estamos vendo

Continuo mudando e crescendo
Estou cada vez mais velho
O demônio faz aniversário
Nós comemoramos
Celebramos um com o outro

Já nem me lembro dos tempos
em que o demônio não estava por aqui
Ele parece vil, mas me ajuda a seguir
Fecho os olhos e aguardo
Os milagres acontecem
quando a percepção encontra o sono

Os grandes eventos sempre lembram
Épocas distantes e abandono
Dou de ombros e sigo em frente
Eu mais chama quente
O demônio mais tranquilo
Eu mais ele e ele mais eu
Um dia encontro
um pedaço de saúde
Abraço o meu
descanso na loucura
Repouso vulnerável
Jazo sem armadura
Até o dia fatídico
vou como posso

Faço o que posso
E também o que devo
O demônio matou o medo
Ele mora comigo de aluguel
Eu cada dia mais ele
Ele cada dia mais eu
Eu ainda mais ele
Ele ainda mais eu
Eu mais ele
Ele mais eu
Eu ele
Ele eu
Eu
Acho que, enfim,

Localizo-me aqui
Nos entendemos ou
eu mesmo me entendi

Nossa parte boa domina,
mas deve ser mantido este segredo
Que por aí digam que nossa sina
Não é espalhar amor e sim o medo

Que me chamem de demônio
Que tentem apagar nossas chamas
Continuaremos, entretanto,
por aqueles que nos amam
Esquento outra vez

de tanta felicidade
Talvez ainda queime esta cidade
Sou completo e me reconheço
Celebro a minha liberdade.