Cicatrizes de uma vida sofrida.

Longa e escura noite
Solitária segue a mulher
Pronta para o açoite
Seja o que Deus quiser
Dividida entre dois mundos
Não sabe para qual olhar
Reflexos iracundos a
transportam para nenhum lugar
Limbo, passagem e a alma
Desguarnecida
Findo, selvagem, a calma
foi esquecida
Outra vez a noite escura
Lança o cobertor em nós
Nem tudo que é belo perdura
Fecha os olhos para não ver o algoz
Que chega sorrateiro
sabendo exatamente o que quer
Seus desejos são traiçoeiros
Pretende usurpar a mulher
A protagonista se levanta
Luta contra o ímpeto
de que não adianta
Enfrentar alguém
muito mais forte
Ri e depois canta
Ninguém quer o seu bem
Esta é sua mísera sorte
A noite vira madrugada
A mulher reza e se aquece
só com a raiva que sente
Tudo é péssimo agora,
mas um dia será diferente
Existe mundo lá fora
que justifique seguir em frente?
O amor quando veio era falso
A atenção quando veio era oportuna
Arrasta-se pela casa com os pés descalços
Sonha a felicidade, mas sua realidade é a bruma
Eles sempre se afastam, porém, antes a punição
Seu corpo é um saco de pancadas
Sua história de pura humilhação
Ergue a cabeça de algum jeito
Esta mulher de força extrema
Recorda-se de tudo o que lhe foi feito,
mas refuta que sintam pena
Ninguém é perfeito, mas ela
nunca se perde da cena
Quem explica esse efeito?
Coisa trágica de cinema
Do sofrimento muitos nascem
e nele tantos se perdem da lida
A minha heroína sustenta na face
As cicatrizes de uma vida sofrida
Viveu pela liberdade
e seu conto foi escrito em dor
Escreveram em sua lápide
“Representa a luta por onde for”
Hoje cantam pela cidade
seus gritos de luta como história
de amor.