Queremos pessoas prontas

Queremos pessoas prontas, eu me peguei dizendo, sozinho na cozinha de casa. A simplicidade da frase me causou espanto e notei que era como dirigir com o vidro do carro sujo por meses, até o dia em que se nota que sim, sempre existiu tempo para jogar água e limpar. Era tão fácil desde o princípio, porém, ainda assim, o vidro ficava sujo e eu corria mais riscos enquanto dirigia. Findo este paralelo metafórico entre vidros, sujeiras, pessoas, atando-me agora ao que prontamente me fez começar este texto às cinco e quarenta e cinco da manhã. Queremos pessoas prontas.

Por natureza, por essência, viciamo-nos na facilidade e criamos bloqueios para os outros, como se um muro erguido impedisse apenas o contato do outro lado. Fingimos, em regra, de maneira incompetente, que a maldade do mundo não nos fere e nem nos alcança. Tudo é tão ridículo quando você aprende, enxerga e finalmente vê. Os velhos quase sempre se recusam a se envolver com os novos, principalmente pelo medo de que toda a sua sabedoria e experiência possam sofram com o questionamento fervoroso da juventude liberal. Os jovens, vocês sabem, desconsideram o velho, pois ignoram o passado de seus avós, de seus pais, do mundo e até os próprios. É mais fácil tratá-los como coisas do que como pessoas, é mais fácil personificar a frieza do fingimento sobre coisas que aconteceram, mas é melhor fingir que não, do que sentir e encarar o endurecimento pela dor que traz a lição. Quantas mentiras foram contadas, quantas verdades escondidas, quantas vezes, apenas talvez, você poderia ter sido mais sincero e deixou outras pessoas preocupadas? Quantas vezes se entorpeceu para se sentir justiçado? Para que tantas mentiras? Porque queremos que todos nos vejam como pessoas prontas.

Temos o direito e o dever de cometer erros, eu disse e esperei pelo questionamento seco e cheio de incredulidade do meu melhor amigo, mas era óbvio que ele ainda estava dormindo. Anulamos nossos erros tentando normalizar todo tipo de situação. O bom senso alheio morreu e é mais fácil fingir que o nosso também. A maioria só luta quando a vitória é certa. Somos esses seres patéticos? O que é essa ânsia fervorosa por errar, por sair, por cair na cama de uma pessoa estranha, por se sentir bonito, por ser sentir querido? Errando das segundas aos sábados para pedir perdão aos domingos ou sequer se desculpar, pois temos o direito e o dever de cometer erros. O que é essa insuficiência de sentir que faz com que nós provoquemos nossos próprios sentidos? O que é essa carência que dita nossas vidas? Que falta de sentidos faz com que a gente passe a desejar sentir mais para que as coisas sejam sentidas como, em teoria, devessem ser sentidas? Secretamente alimento uma vontade de vingar ou ser vingado? Por favor, veja bem, olhe como são, às vezes, obscuras nossas motivações, por serem cruas e equivocadas na essência ou por serem simplesmente invisíveis aos nossos próprios olhos.

Nietzsche tombou no chão do quarto estranhamente ao lado de Maquiavel e de frente para Machado. Empurrei-os para a pilha de descartáveis, doarei, é claro que doarei, esses homens quais não posso estudar ou conhecer, Brás Cubas, porém, fica. Prontos à minha esquerda, Leminski se levanta ao lado de Murakami, Sabino e Pessoa, mas só Caio Fernando Abreu entende um pouco do meu sentimentalismo exacerbado. Tolkien, Clive Staples e King zombam de mim, mas Neil e suas coisas frágeis parecem se compadecer de minha confusão. Será que eles também queriam pessoas prontas? Olho para a nona reunião vermelha, o RG, quatro e cinquenta no preço, seis e doze na hora, tomada, fotos, quarta estação, chaveiros, piscinas, mares, Paris, lugares, barbudos, loiras da odonto, seduções fáceis, sedutor irresistível, ego, eco, extrato bancário, salário, desemprego, revezes, não quero te machucar, nem sempre é força, cabeça erguida, fone, dores, poeira, outro dia a gente tenta, flores, cão, gata, bênçãos irlandesas, cartas, amuletos que dão sorte, mas que os ingênuos não creem, pois pensam que crença é uma questão de meta. Não veem subidas, descidas e curvas, como se o mundo fosse uma linha reta. Que é que te faz ser você? O que alimenta teu desejo por pessoas prontas se ainda está assim longe do que prometeu ser?

De minha parte, eu hoje vejo que não procuro pessoas prontas, embora tenham buscado isso em mim. Daniel, você é perfeito, mas você não comprou sua casa, eu sei, eu também não comprei a minha, mas é que você parou no caminho, não, eu não paguei o meu carro, sim, você pagou o seu, mas eu não quero entrar aí, a economia vai mal, olha, eu sei o quanto pode parecer ridículo, não sabe, você é idiota, você vai me xingar, eu acho que talvez eu também tenha parado na metade do caminho, não, isso não me faz idiota, eu não quis dizer idiota no sentido de burra, apenas idiota por se permitir ser utilizada por diversos titereiros e dançar a canção do mundo pela voz de outros e pelas mãos de outros, eu ouvi e toquei e posso dizer que sua voz é bonita e suas mãos também, mas se você não acredita talvez eu possa cantar com a minha voz feia e você aprenderá então que pode compartilhar a vida com quem realmente te olha e te vê, eu sei, depois disso, confiar nos outros fica mais difícil, alguém que quer nosso bem de verdade é uma sorte profunda ou sinal da existência divina, pois o egoísmo dita o mundo e o mundo dita a vida, e esta vida, creia-me, ela passa rapidamente e meus livros chegam no próximo mês, mas não era em maio ou mês anterior, é que eu fiquei fora de mim, recuperou-se, sim, e é isso, sim, é o que é, como deve ser, um brinde ao que nunca foi, foda-se o passado, um brinde ao que será, isso é algo qual posso brindar, nossas melhores histórias são sempre as mais escrotas, não sei dizer, você é incrível, parece estranho, você está bem hoje, não sei, mas acho que sim, eu tenho ainda todos os sonhos do mundo em mim, isso é legal, cara, siga firme e sem exageros, como salada sem tempero. Está liberado ter alguns devaneios, mas olhos fixos na estrada. Quem não entende a demora exagera no acelerador e no freio, mas você não se esquece de que o importante é a chegada. Eu sei, você está com a razão, obrigado, eu que agradeço, cuidado com crises de ansiedade. O que é agora, eu não sei, ela é inteligente, eu sei, você sabe que eu sei, que bom que nós dois vemos, e entende ela sobre cores, perguntou (perguntei-me), ela é um arco-íris, xará, eu sei que ela está no caminho, pote de ouro para vocês, é o meu palpite, minha aposta, ela não é uma pessoa pronta, tudo bem, eu não sou pronto também.

E continuo, embora com menor incômodo, com a frase flutuando na minha cabeça. Queremos pessoas prontas. O meio do caminho pode ser difícil e muitas pessoas e aqui, eu honestamente digo sem medo de parecer melodramático, muitas pessoas irão te deixar. Se você é alguém de sorte contará com muitas pessoas acenando em sua despedida na entrada da caverna escura e estreita do autoconhecimento. Uma vez dentro da caverna, você aprende ou morre, mas não há vivalma que agora o socorre. Se você se entender, compreender seu papel no mundo, vai se machucar, mudar um pouco, provavelmente vai cair de joelhos e cotovelos, mas se levantará, ainda que sangrando. Eu acredito em você. Uns poucos estão aqui comigo do outro lado te esperando, quanto tempo faz, você não faz ideia, mas não importa, onde estão os outros, olha, você bem sabe e dar a notícia não é algo que me cabe, mas eu e estes podemos lhe dizer que eles tinham outros compromissos.

Queremos pessoas prontas, eu digo mais uma vez, agora puramente por reflexo, mas emendo outras frases e recito: queremos pessoas prontas quando somos arrogantes, assim, mergulhados profundamente nesse ilusório senso de superioridade, pensamo-nos melhores do que os que estão no caminho, andando muitas vezes nas proximidades, lado a lado. Ignoramos o fato de que estamos em constante evolução e nos vemos maiores, não por sermos mais vastos ou largos, mais inteligentes ou rentáveis, apenas por um vislumbre tolo de grandiosidade quando se escapa a compreensão de que a genialidade não cabe em espaços apertados e de que não existe nobreza sem humildade. Na tentativa fútil de sermos diferentes daquilo que sentimos, muitas vezes nossa pose se torna a algoz da nossa personalidade e da nossa voz. Praticamos tanto a nossa pose que ela se torna alimento para os que não encontraram sua própria voz. O currículo conta: idiomas, países, inteligência artificial robótica, politização, diplomas, marca do cigarro, valor do carro, coleção de relógios. Viciados no ópio de experiências alheias, escravizamo-nos para quem quer que nos pareça admirável ou superior desconsiderando muitas vezes nossas próprias ilusões no processo de admiração. Se tivermos sorte, enxergaremos nós mesmos de fora e correremos para dentro, como uma criança muito nova que passa horas longe da família e se pega na urgência de estar em um lugar incontestavelmente seguro. Quando voltamos a nos enxergar somos qualquer coisa, exceto nós mesmos. Os perigos da incontrastabilidade. Adorna-se o externo para que possamos brincar de sermos quem não somos. Sabemos… o interno não aguenta tinta.

Respiro profundamente e sinto uma dor no peito, dane-se, não sou cardíaco. Todo mundo diz que na família eu deveria me preocupar apenas com a memória, pois nossas cabeças não são muito boas ou talvez sejam exageradamente boas, acho que alguns são até cabeçudos. De toda forma, cabeças desgastadas em criatividade, esforços e soluções talvez requeiram melhores cuidados. A maioria é, geralmente, estúpida, assim peço sussurrando, baixinho, para que você tome suas precauções e faça se aproximar da sua vida quem realmente goste de você pelo que você é. Esqueça a ideia de manter todos. Não é possível. Andar ao lado de uma “pessoa pronta” não te faz pronto, andar com alguém que ama não te faz amar e andar com alguém que se dedica a Deus não te faz teísta.

“Mera mudança não é crescimento. Crescimento é a síntese de mudança e continuidade, e onde não há continuidade não há crescimento”. C.S. Lewis.

Bocejo e medito sobre o quanto ainda não dormi. Preciso mudar e crescer. Leio uma oração irlandesa rimada em inglês, sinto fome e bebo a quarta xícara de café, sem açúcar, claro. Passa pela minha cabeça ocupada e esquisita que talvez eu devesse ler, mas não quero e estendo o relato além do que o leitor pede. Queria que alguém me ligasse e oferecesse carona para uma cafeteria, bem agora, às 8h04. Os olhos se fecham, inclusive o esquerdo e o inchaço diminuiu. A fome faz doer o estômago. A vermelhidão nas escleróticas é mau sinal. Devo dormir, não consigo, tento, falho de novo, mas decido sair do computador. Talvez eu nunca mesmo seja uma pessoa pronta, mas tenho aprendido tudo sobre eu mesmo, bons livros e amor. Em todos os momentos possíveis, cônscio, eu sei e sorrio, pois minha alma não se esconde. Um dia essas pessoas prontas vão acenar para mim.

Bem de longe.