Abstração

A representação da vida como coisa real geralmente nos escapa.

Localizo-me no meu quarto e sinto o suor escorrendo pelas minhas costas e pelo meu antebraço. Anoiteceu outra vez e me pergunto sobre o que seria da minha vida acaso não houvessem novas noites. Poderia eu seguir tranquilamente em um mundo que só comporta o lume ou necessito da escuridão e da densidade noturna para certificar de que sigo cônscio e no controle de minhas próprias ações?

Tragédia mundana qual me sinto destinado. Posso acertar minhas próprias ações ou estou fadado a dar errado?

Vejo-os, principalmente quando não me vejo. Vejo-me, apenas quando deixo de ver o restante do mundo. Observo-os e me sinto arrefecer. Não me observo e sinto a minha ausência. Escrevo para diminuir a distância entre quem sou e quem sinto que deveria ser? Que é que deveria fazer para me aproximar mais de quem está tão distante? Existe drama qual devo me render que faça minha vida simplória mais elegante?

O silêncio devastador é interrompido pelo ronco incessante do motor do ar-condicionado. A gata preta desfila atravessando o espaço curto da mesa. Segue o seu rumo com passos delicados, repletos de requinte e, sem se encostar em nada, deita no meu travesseiro e só mexe eventualmente suas atentas orelhas.

O sono dos felinos, as sinas e destinos, os instantes de descansos breves e seculares, a inevitabilidade, a boa utilização do tempo, a individualidade, os lugares, tudo me torna mais leve e tudo também me torna mais pesado. Não divido meus fardos e nem os meus hábitos. Sei que preciso da solidão para sobreviver.

Abstraio-me do Universo e de tudo o que compõe a Vida e me sinto integrar o ambiente. Dura apenas um vislumbre de segundo, um intervalo tão fugaz, que nem o sinto na pele, mas é essa capacidade de me ver longe do mundo que me faz nutrir amor verdadeiro pelo verdadeiro Mundo.

Indago-me sobre Vida e Morte e sobre as próximas vidas que hão de existir após nossas próximas mortes. Haverá espaço e tempo para que tudo seja vivido e aproveitado? Haverá tempo hábil para que possamos realizar os sonhos que sonhamos? Haverá outras versões das nossas mesmas personalidades? Poderei deitar meu julgamento completamente subjetivo sobre a minha maneira de enxergar a existência? Outra vez me perco de mim. Enxergo todas as pessoas, menos a minha. Enxergo todas as dores, exceto a minha. Enxergo a felicidade dos mais próximos e não a minha. Que é que deveria eu fazer para me livrar deste insistente estado soporífero? Estou destinado a sofrer por um mundo que me ignora?

Príncipe diurno e deslocado de melhores horas. Sonhei-me regente em um mundo qual tudo era visto de dentro para fora. Vomitei os segredos da existência. Mergulhei no gélido oceano e me transformei em uma lontra comedora de ouriços-do-mar.

Acordo-me no mundo real, se é que faz sentido distinguir o território dos sonhos do território cotidiano. Sou o Senhor do Lago e devo fazer o que bem entender. Visto meu protagonismo como um super-herói veste sua roupa especial. Trago em mim todo o tipo de esperança vã e estúpida que me faz acreditar que posso modificar severamente os amanhãs. Onde estará meu futuro se me falho em modificar o presente?

Falho de novo e de novo. Sinto uma raiva que dura pouco. Sinto uma tristeza que persiste. A alegria pode ser disfarçada, mas não o sofrimento. Penso sobre as coisas que não posso tolerar e quase me pego chorando. Agradeço ao Acaso Divino que me fez estar com tanto sono.

Lá de longe me vejo e aceno. Estou defronte para as janelas límpidas com vistas enfumaçadas de uma fábrica que expele nuvens de fumaça branca, mas me sinto sereno. Lá de longe me vejo e não há engano. Há qualquer lugar qual sou novo filho do mar e desta vez sei que me amo. Lá de longe me vejo no clima impossivelmente gelado e distante. Talvez uma parte minha congele, mas eu sei que não volto o mesmo de antes. Lá de longe me vejo falando em japonês com os japoneses. Talvez eu me embriague em Tóquio enquanto canto meus maiores reveses.

Lá de longe me vejo acompanhado.

Lá de longe me vejo sozinho.

Lá de longe me vejo.

Lá vou eu outra vez.

Lá vou eu agora.

Lá vou eu outro dia.

Lá vou em uma nova velha vida.

Partícula irreal e incompreensível. Falhei na vida e no devaneio de minhas hipóteses. Falhei na imaginação e no sonho. Dormi acordado e vivi dormindo. Nunca encontrei o que me fosse agradável como qualquer tipo de resposta. Surgem mais perguntas e outra vez me vejo. Não há mais ninguém. Deixo de me ver e a vida inteira brilha e surgem mais uma vez as coisas todas que faltam.

O sono é o meu único Deus e rezo para que durma rápido. Divido-me entre a ânsia de sonhar e a vontade apressada de me lembrar detalhadamente dos sonhos. Pudesse eu me compreender nas partes quais não me compreendo e tudo poderia ser diferente. O que fiz de mim se calei quando deveria ter dito? O que ainda faço de mim se falhei em fazer deste um mundo mais bonito? O que fui falar quando não tinha mais o que dizer?

Amo como posso e sigo em frente. Sou como sou agora, mas talvez um dia escolha ser diferente. Que me julguem com ferocidade! Que me julguem com um caráter férreo e que eu seja alvejado! Que eu sofra com os dramas e dores do mundo! Um dia eu ainda melhoro! Um dia eu ainda mudo…

Andarilho cósmico,

Interplanetário,

Eu vi a escada de saída da Terra,
Eu também senti o cheiro de flores e ervas

Eu sei que há circunstâncias de melhorias e que eu não quero e nem posso morrer de um jeito estúpido ou banal. Não aqui. Talvez com essas pessoas. Talvez longe delas.

Quero falar outras línguas e admirar outros sotaques.

Quero que todos vejam na minha representação externa toda a capacidade estética e interna da minha alma. Quero a explosão do mundo em absoluta calma.

Hoje nenhum pedaço do planeta foi feito pra mim.

Um dia.

Ferro, vinho, romantismo, sono compartilhado e lucidez. Não sei quando, mas ainda chega minha vez. Até lá me valho dos inutensílios que encontro ao longo dos dias mais longos para continuar bem.

Isso de querer ser exatamente aquilo que se é ainda vai nos levar além.

Gastando palavras até que os dedos doam para confrontar qualquer resquício de vaidade. O sono me chama e em sonhos quero ficar face a face com a única Verdade.

Boa noite.

Crônica Pregressa #6

Contradição

     Começo este relato sem a devida lembrança de onde ele se inicia. Falho com o mínimo, porém, não me desanimo tanto. A prolixidade dos meus sentidos contradiz a preguiça do meu corpo. Mal me sinto capaz de caminhar ou de comer, entretanto, obstinado, sigo batendo os meus dedos no teclado. Observo-me, não sem certo estranhamento, quase estático. A minha mente nunca descansa da realidade ou da irrealidade. Sinto uma vontade de gritar até perder a voz, mas estou cercado. Saiam, por favor. Não é da boca para fora, por favor, saiam. Sou dominado por um instinto de isolamento e sinto uma vontade crescente de desaparecer.

     Resisto, incertamente intrigado, mas certamente contente. Tenho falhado sim e errado como um mestre em errar. Domino os equívocos e nunca me basto deles. Quando alguém me diz para não viver tudo hoje, eu sorrio e assumo uma expressão zombeteira, ainda que não me perceba tão irônico assim. Chamar-me de cínico é a única coisa realmente imperdoável. Ouvi discorrerem sobre minhas ações de maneira generalizada e cada um pensava algo diferente. Assim, eu fui honesto comigo e com os outros. Nunca pude controlar o que esperavam de mim. 

     A exaustão percorre meus ossos. Dizem que eu não tenho motivos para estar exausto. Talvez eles estejam certos, mas, olha, eu não tenho que me explicar quando quaisquer tipos de explicações fogem rapidamente do meu controle. Preciso me afastar um pouco. Posso me perder de tudo, até perder uma ou outra pessoa querida, mas minha própria ausência me desespera. Não penso em boas frases para finalizar um texto. Não há nada mais que eu sinta ou que faça sentido. 

     Um bichinho de luz aparece e me incomoda, mas sinto muita preguiça para me livrar dele e minha bondade ingênua me impede de esmagá-lo. Talvez eu devesse ser mau de vez em quando. Neste final de tarde ainda não posso. Apago a luz e torço para que ele vá. Não desejo companhia. Espero dormir e me esquecer de quem me esqueceu e apenas hoje também de quem ainda se recorda de mim. Quero apenas existir sozinho.  

Discreto.

Inicio uma conversa franca
Defronte a uma imensidão branca
Sentindo uma enorme sede

A dor qual ela banca
Quando sozinha no quarto se tranca
E se atira contra a rede

Cogita desistir
Reluta em admitir
Não vê saída

Não sabe o que sentir
Esqueceu de como sorrir
Perdeu-se de sua vida

Escute-me hoje, por favor,
A face febril está em rubor
Tire o rosto da parede

A fase passa e também a dor
Recupera sua alegria e sua cor
A Tristeza têm olhos verdes

Aposto no que me aquece
Finjo crer nas minhas preces
Celebro minha existência

Príncipe que não se esquece
Demônio que se oferece
Anjo sem paciência

Abro um compartimento secreto
utilizando frases em outros dialetos
que encontrei em grimórios antigos

Concentro-me em pessoas e objetos
Sozinho sou e permaneço discreto
A infinitude de um caso perdido.

Crônica Pregressa #5

Convite

Gata preta que traz boa sorte, arco-íris de chão. Eu peguei só a geladeira, a cama e o desgastado colchão. Segurei as mãos dela e me calei. Quando falo muito sempre digo pouco.

Não pretendia que as coisas fossem assim, mas é que de tanto pretender acabei perdendo o que acontecia bem diante de mim. Choveram estrelas na noite passada, você notou? Incontáveis, cadentes, repletas de pedidos, esperanças e milagres, mas igualmente incapazes diante da sombra da ideia do amor. Havia esmeraldas na escuridão, você as pegou? Soltei os fantasmas do porão. Algum deles te assustou? Tantos olhos embriagados vagaram pela madrugada buscando uma distração. Você pode dizer que achou?

Houve um boato na noite passada. Confessaram-me vários segredos, mas nenhum que me desse arrepios. A noite nublada também era enluarada e expunha tantos fatos e medos, mas só os solitários notaram os tantos espaços vazios. Onde é que você estava quando a dor se tornou tão pungente? Soprei a última luz de vela e encontrei uma bela fada endiabrada no momento em que se alimentava de uma estrela cadente. Quem é que não mente quando falta o que dizer? Quem é o que sente quando tenta não sentir o que quer esquecer?

Encontrei um velho amigo em sonhos e ele me olhou divertido e risonho. Fui feliz. Encontrei o primeiro beijo sentado em uma árvore derrubada, mas quando abri os olhos havia menos que nada. Fui feliz também. Sempre jogo apostando, exceto quando o assunto é amor. O que é que ganho ao deixar outros provarem meu sabor? Sou singular e o resto que se dane, pois estou me lavando agora. De vocês, dos sonhos, planos e das velharias. Vou dominar o idioma francês e abrir minha própria cafeteria. Batuco meu peito e pareço tão oco. Queria oferecer-lhe o Universo, mas esta noite sou tão pouco.

Sou feito da poeira mais pura. Todos os meus pensamentos belos e idiotas são feitos de matéria que perdura. Transformo-me em vidro e sou quebrado. Por que importa ser certo em um mundo que aprecia só o que se faz de errado? Estilhaço, quebro, espalho-me no chão. Quase ninguém toma cuidado e menos da metade de quem nota não evita um novo pisão. O que fazer se é tão frágil meu coração? Cuidado se resolver tentar a sorte e me remontar. Meus cacos são tão afiados que mesmo sem intenção posso machucar. Corte de gastos, orçamento, contabilidade. Falta-me a habilidade para desapegar dos sentimentos, mas construo aqui meus novos atos, sem vaidade, enfim, é o meu momento. Quando as estrelas despencaram como gotículas, os brilhos foram louvados e ninguém sentiu vontade de apagar o outro.

Gata branca de estrada, cachorro da mais bela alma, arco-íris de chão. Eu peguei só o pouco que tinha e lhe entreguei o meu coração. Não sabia como era o misterioso rosto dela, mas eram quentes suas pequenas mãos. Olhei para aquela chance de aventura morando em um ponto de interrogação. Sorri docilmente com meus olhos em chamas, mas de alguma forma ofereci também o mais confortável abrigo. Respirei fundo e perguntei a ela, para a incógnita dos dias que virão, você está disposta a partir comigo?

Refúgio

Ele se adianta e não consegue fugir.

Está
cansado
da
fuga.

Não sabe dizer quando parou de cair.

Será
mesmo
que
parou?

É que quando você passa muito tempo no chão corre o risco de se esquecer da diferença entre os patamares e os ângulos e todas essas perspectivas.

Ele
revolve
para
dentro
.

Há muito o que olhar. Às vezes sente como se a realidade alheia fosse irreal se comparada com a sua. De quando em quando, observa-se, contempla-se e se permite ficar em seu próprio quarto. O ambiente se torna o Universo e ele se torna o Deus daquele mundo tão particular.

Ele
pensa
melhor
sem camisa.

Assim tira a camiseta primeiro e a joga no chão. Colocá-la no cesto de roupas sujas é algo que pode esperar. Agora bebe água, cerveja, chá, suco e faz do ato de ingerir qualquer líquido uma distração. Distração para quê? Distração do quê?

Ele
pensa
em voz alta
Às vezes se
enraive com
quem não quer
buscar seus caminhos
Tantos preferem atalhos

Como explicar?

Ele liga o videogame e joga. Recorda-se dos primeiros anos e dos primeiros jogos e sorri. A sua infância tem um gosto doce e ele desce alegremente e sem se preocupar com a conveniência de pegar suas estradas para locais seguros. Está defronte ao Super Nintendo, ao Gameboy de tela verde, ao Playstation I. Os videogames o fazem feliz. A solidão o faz feliz. Ele olha com a atenção necessária os jogos, as pessoas e os espaços vazios. Observa a vida e a alegria. Cresce no peito do garoto uma vontade de ser maravilhoso.

O que
quer dizer com
ser maravilhoso?

Quem realmente sabe? Um dia o garoto apostará em si mesmo. Acreditará em sonhos, pessoas e amor. Acreditará nos exercícios físicos e na cafeína, nos contos, romances e rimas. Quem poderá desvendá-lo? Ninguém? Nunca? Ele escolhe suas companhias e se frustra quando sente que não pode optar pela solidão.

Às vezes
ele deseja
a solidão.

Entretanto, é consciente, pontual, exceto no que concerne a chegar nos horários marcados. Desafie-se, inverte cenas, faz o que duvidaram que tinha a capacidade de fazer.

Ficava
apavorado
em conversar
com mulheres.

Hoje é natural.

Sentia-se
muito alheio
Também bastante
feio, ainda que soubesse
que a verdadeira feiura
nunca seria estética
neste mundo vil.

Tornou-se expansivo. Mais do que antes, ele sempre anda por aí com alguns amigos e é amado. Tornou-se bonito também, ainda que não tenha se esquecido que a beleza verdadeira nunca seria a estética neste mundo vil. Revolve para dentro e deixa que os outros percebam o que ele já sabe. É bonito nos lugares que mais importam.

Ele quase
nunca dorme.

É que sua cabeça está sempre no dia seguinte e na luta. Não é fácil, mas segue firme em sua conduta e crê que pode vencer o mundo com calma e sem malandragem.

Essa
aposta
é maluca,
mas

Coragem!

Fecha os
olhos, pois
sabe que ainda
que a vida seja foda
ninguém dorme
de olhos abertos.

Anda para lá e para cá pensando em soluções que resolvam conflitos. Fracassa em aparecer com novas soluções e sufoca um grito. Não chora, não é pessoa assim tão sensível, mas reconhece que chegou a hora de dormir. Espera que pelo menos em sonhos não exista alguém franco e que não tenha a intenção de o ferir.

Boa
noite.


  • V

O café da madrugada

Aproxima-se no seu próprio ritmo
Sabe que está tudo bem assim
Pega a xícara e sorve um gole de café
Primeiro é noite e ele está sozinho
Na manhã seguinte ele continua sozinho
Na terceira noite chove muito forte
e ele sente uma imensa vontade de chorar
Bebe lentamente o seu café e não se esquece de o apreciar
É a primeira vez que odeia um feriado prolongado
Será que ele sempre esteve isolado assim
solitário na existência obrigatória e inútil dos dias?
Será que em sua vida inteira fez morada na fragilidade
escancarada de um castelo de cartas?
Será que sua miopia dos olhos era acompanhada
por uma espécie de cegueira total dos sentidos?
Será que a cafeína é sua única aliada?
Os pensamentos sombrios o atraem e depois o traem
A insegurança o domina e ele reconhece que
talvez apenas dessa vez fosse adequado,
Que palavra maldita, imunda e trágica, mas
talvez fosse adequado dividir o apartamento
Ali ele ganha dinheiro, mas não há ninguém
Quase não há com o que gastar o dinheiro também
Os idiotas todos dirão que ele poderá guardar
Dirão que poderá atravessar a fronteira quando quiser
Ele ri, pois sabe identificar um idiota de longe
Há coisas simplesmente inalcançáveis e
ele faz flexões incansavelmente até que se canse
Depois de mil flexões ele então bebe suco de limão
Não qualquer suco de limão, mas aquele mais caro
da prateleira alta no mercado e que quase
anuncia sua exclusividade para os que são ricos
Ele não se sente afortunado, pelo contrário,
Uma sombra cresce de maneira irrefreável
mesmo quando não há luz para que ela se propague
Há coisas simplesmente inalcançáveis, ele repete,
Concentrado agora deseja que sua alma se expanda
E assombre a noite dos miseráveis que estão
espalhados por aí bebendo, fodendo e se divertindo
Todos estão entregues e não se importam
Entregam seus corpos por pura distração
Seguem um desejo viciado e compulsivo e alheio
Pessoas encaradas como oportunidades e
uma espécie de conforto no conformismo
Na reflexão irrefletida do toque, do beijo, do sexo
Um no outro e outro no um e tudo isso
para inebriar o pesadelo que representa a solidão
A solidão é a única opção daquele homem naquela madrugada
Ele nem tem a chance de ser compulsivo ou impulsivo
Ele nem tem a chance de ser irrefletido ou irresponsável
E se tivesse será que trairia a si mesmo por reflexo?
É tarde da madrugada e ele segue absolutamente sozinho
Olha para as chaves do carro e está consciente
Não há nada para ele nas ruas alagadas e esburacadas
Aproxima-se da chave, segura-a, é o seu carro
O carro que comprou com o esforço do seu trabalho e dinheiro
Aqui, enfim, ele vê o sentido real do dinheiro como coisa certa interna
No restante do tempo são apenas cédulas, papéis impressos, o que se gasta
pelo consenso secular e tácito de que deveríamos estipular valores
Ninguém está errado e ninguém está certo,
Ele sabe que a solidão é a verdadeira mestra e assim como na escola
os únicos bons alunos são os que possuem a disposição de ouvir o professor
Ele nunca foi dos melhores alunos, porém escuta
Absorve lições no silêncio externo que extenua
o concerto desorganizado e barulhento que internaliza
Ele não se observa nos espelhos do apartamento, mas se nota
A profusão de suas comoções se extingue
Agora todos os caminhos o levam para um
Seu carro, seu apartamento, seu café, sua solidão
Vedado, cego, está enclausurado no fundo do poço
Ele segura o segredo ancestral do Universo
Ainda que em idade seja apenas mais um moço
Há dois grupos de pessoas que existem
Os que estão acordados e vivos e felizes
E os que estão dormindo com ou sem sonhos
Ele não pertence a grupos e não é lembrado
Está acordado em um ponto onde a realidade oscila
Não alterna, é ele mesmo, continua esquecido, sofre,
É caro, ele repete, mas paga o preço, até quando?
É caro, ele insiste e diz de novo,
Até quando resisto e faço com as
circunstâncias meu próprio jogo?
De repente nas profundezas do âmago
ele sente algo estranho e profundo e se divide
A alma é tão expansiva que pode ser fragmentada,
embora seja de conhecimento geral que isso não é saudável
Ele chove junto com a chuva e olha para a sacada
Nada na cidade se move, exceto a água
Ele não escuta nem a própria respiração
Indaga-se subitamente se morreu e acorda em um susto
mesmo reconhecendo que nunca tivesse dormido
Um raio cai e ele não recua nem mesmo um milímetro
Sempre teve admiração e medo de raios
Será que está mesmo vivo?
Subitamente senta de pernas cruzadas
Em seguida se levanta e vai preparar mais café
Sabe que precisa adotar um gato ou vai morrer
Entende que um dia deve morrer, mas espera morrer velho
Sabe que o cão sente a sua falta e o sentimento é recíproco
Possui o coração justo e não trouxe o amigo na mudança
Ele precisa de muita atenção para viver feliz e o homem
jamais teria mais de duas horas por dia para dividir com o bicho
Ele está mais feliz lá longe na outra cidade
Os homens podem se acostumar com a infelicidade
O rapaz trabalhador é miserável em todos os aspectos
O amor também se foi outrora e ele não acredita em distrações
Provavelmente mandaria embora uma bela mulher
ainda que ela batesse desesperada em sua porta clamando por sexo
Gargalha subitamente como um maníaco e pensa sobre absurdos
Isso nunca acontece e nem nunca vai acontecer
Está cronologicamente equivocado
Vai acontecer por meados de janeiro
No futuro alguém vai pegar um ônibus
para passar o final de semana com ele
Vai entregar tudo, mas esperando algo em troca
Ele avisou antes que não barganha sentimentos
Vá embora, eu não posso te dar o que você quer
A frase dura será dita, ele é compelido a ser sincero,
O futuro nem existe ainda e ele ri
Isso nunca acontece e nem vai acontecer,
mas acontecerá mais de uma vez
Ele estava preparado para a eternidade
Vai até a sacada e grita e xinga alto
Talvez nunca mais possa falar com uma mulher
Tampouco acredita que possa amá-las,
ainda que saiba que está disposto a ser honesto
Ninguém é sincero, mas ele seguirá assim
O homem que matou o charme
Sabe que é desajeitado, confuso e não entende nada de flerte
Essas coisas se aprendem?
Não acredita muito em aprendizado
Crê que pessoas possam aprender idiomas,
mas não crê que pessoas possam se aprimorar
Podem? Não, isso não é sobre outras pessoas
É apenas sobre ele mesmo que agora senta no sofá
Quantas malditas horas cabem em apenas uma madrugada?
Outra noite de solidão profunda e vazio existencial
ou será que ainda é a mesma?
Não interessa realmente quando não há aliados
Ele quer se sentir dono de si,
Quer se ver no controle da vida ao menos uma vez,
mas reconhece que talvez ninguém seja dono
de absolutamente porra nenhuma
E se soubesse o que quer o que saberia?
Abre uma lata de cerveja, bebe tudo de uma vez,
Amassa a lata e a coloca no lixo reciclável
Talvez tudo seja inútil, mas é melhor separar o lixo
Separa então o lixo como quem separa a si mesmo
Recorda-se por um instante de um bar e de gente
Recorda-se de sorrisos e de uma mulher tão concentrada
no próprio celular que parecia forçar a invisibilidade na vida
Ela falha como todo mundo costuma falhar, pois meses depois
na solidão daquele apartamento um homem revive a memória
E lembra dos olhos tão vidrados na tela
Ele anda pelo apartamento e paga as contas em dia
É uma delícia morar sozinho
É um pesadelo morar sozinho
Esquenta a água e cozinha cinco ovos
Come os cinco ovos, bebe mais uma cerveja
e tenta se lembrar se já praticou exercícios físicos hoje
Não está se sentindo disposto para ler
Pega o celular e pensa em enviar mensagens
É quando se recorda de que ninguém liga se está vivo ou morto
O importante é que está ganhando dinheiro
Ele se conforta com o pensamento dos outros
Como são estúpidos os raciocínios dos que nem se conhecem
e ainda acreditam que possam aconselhar sobre a vida alheia
Presunção, arrogância, intolerância de gente que se odeia
e às vezes nem percebe, pois há quantias suficientes
para comprar uma distração um pouco mais duradoura
O homem ri, mas sem achar graça
Faltam os outros, mas não falta ele mesmo
Está se descobrindo mais e mais
De repente um desejo cresce
inesperado e repentino
Decide bater uma punheta
Leva seu próprio tempo nisso
Só quem se masturba decide
fazer as coisas de modo rápido ou demorado
Se alguém batesse em sua porta ele não abriria
Está pelado e confuso
Não sabe em que momento tirou suas roupas
Lava as mãos e fita seu rosto cansado no espelho do banheiro
O seu corpo é bonito e conseguiria alguma atenção se o utilizasse
Nunca enviou fotos pelado e nunca as recebeu
Nem tenta se convencer de que isso é vulgar porque não o é
As fotos podem significar tantas coisas, mas raramente vulgaridade
Ele não deixa sua falta de oportunidade viciar uma impressão
de uma vida que nunca teve apenas porque não pôde ter
Nunca enviaria fotos pelado, pelo menos nunca de maneira repentina,
porém por algum instinto ancestral crê que algum dia irá receber
E a mulher então lhe dirá
Me desculpe, eu mandei essa foto por engano,
não conte para ninguém, por favor
”,
E ele não contará, mas se lembrará da foto
O homem ri novamente e já parece embriagado, mas não está
A lucidez que acompanha a sua sobriedade é um castigo
Nem todas as coisas são para todo mundo
Nem tudo que existe está disponível para todas as pessoas
Há os vaidosos e inteligentes e eles também se ajoelham
Odeiam ter que admitir, mas são escravos à sua própria maneira
Há os que erram e se desculpam, há os que erram e não se desculpam
e até os imbecis idólatras de espelhos que só sabem venerar o reflexo
Narcisistas empoderados, grosseiros e insuficientes 
Há toda a vida e toda a esperança
Há desesperança pura e caos
Há quem tenha sido esquecido em vida e lembrado em morte
Há tristeza profunda e duradoura, felicidade fugaz e sorte
Há os que fazem o que querem com quem querem
Há os que fingem a indolência e permitem
que os outros façam o que bem entenderem
Aceitam o papel de utilidade em uma espécie de resignação
crendo que na vida é melhor ter uma função do que nenhuma
Aceitam os trocados, não importa o valor metafórico pago,
Estão escancarados à venda ou para serem levados de graça
Não ficaram sozinhos o bastante e não se perceberam
Não possuem senso de valor individual e acreditam
que o amor e a felicidade que possuem seja
diretamente condicionado ao que merecem
Eles não fazem ideia do que merecem
O homem solitário se divide outra vez e se perde em suas partes
Um resquício de empatia o impele a explicar sobre o amor
que todos realmente merecem
Uma réstia de empáfia faz com que uma frase flutue
“Que se fodam os outros. Os outros não importam”
Ele quebra seus pedaços em pedaços menores
Talvez na manhã seguinte, se é que haverá manhã seguinte
ele tome xícaras de café forte e recolha seus próprios cacos
O amanhã não interessa por ora
Ele bebe mais duas cervejas e se indaga sobre capacidades
Às vezes o sexo será lento e seguirá uma rota sutil
É preciso saber exatamente o que fazer
Às vezes será agressivo, forte, animalesco
Uma vez se perguntará o que está fazendo ali
e se interromperá propositadamente no meio do ato
porque não pode estar em vários lugares ao mesmo tempo
Há vitórias com gosto de fracasso
E há fracassos não tão amargos assim
Todo ser humano é capaz de ser fenomenal e patético
Ele já havia cumprido ambas as funções antes e cumpriria depois
Veja, ele tenta observar a parte externa de outra maneira
Troca a vista da sacada pela janela
e uma janela por outra janela
Faz isso como quem quer se convencer
de que a vida inteira muda se a perspectiva é distinta
O amor é medido sem medidas e ainda
é descartado quando sua utilidade se encerra?
Sonho febril e primaveril de infinitos
que sobrevivem aos anos e guerras
Não há insetos nessa noite de chuva
Talvez a aranha que mora em um canto esquecido
ainda esteja lá esperando pelos insetos também
Talvez estivesse fazendo companhia desde o começo
Talvez a solidão fosse apenas sua ilusão
Tudo é ilusório?
Ainda não se encontrou com os Fundadores
A chuva continua chovendo
Ele pega a caderneta e lê alguns versos horrorosos
O único consolo é de que realmente foram escritos por ele
Agora escreve uma frase que não lhe diz coisa alguma e a lê
Com que verdade falo sobre mim se nem me escuto?
Irrita-se com a confusão e prolixidade de seu raciocínio
Quem é você agora enquanto a vida explode mundo afora?
Equiparam-se aos réprobos estes solitários das madrugadas
que só podem ser um, mas são simultaneamente vários

Pergunta-se sobre quem ele é e responde sem hesitar
Alguém com dinheiro e que pode tomar o suco de limão caro
A raiva cresce irrefreável, o instinto de violência se amplia
Se tudo fosse vão e sem sentido,
se não houvesse continuação após essa vida e tudo fosse
simplesmente simples e frívolo e irrelevante
você acha que agiria diferente?
Você não é diferente
Escreve no papel para tentar se convencer e falha
Sente-se completamente diferente 
Como não seria diferente se ele lida com a solidão
enquanto os outros optam pela distração?
Todo mundo se arrepende posteriormente
de tanta coisa que disse ou fez
Ele se pergunta se algum dia chegará a sua vez
Acende um incenso e liga uma música para meditar
Bebe mais uma cerveja e se sente zonzo
A meditação definitivamente está funcionando,
ainda que a chuva atrapalhe com seus ruídos essa música
que nunca mais vai parar de tocar
Percebe em seguida que é a música que atrapalha a chuva
Desliga a música, mas sente que ela continuará tocando
Aquele instante lúcido e nauseabundo parece eterno
Reflete sobre a música que atrapalhou a chuva
Outra vez inverte perspectivas e assume hipóteses
Tenta entender os outros que se parecem com ele, mas não o são
Vai até a geladeira e come metade de uma barra de chocolate
Encontra a sua verdade nos cafés e nos chocolates
Repara no beiral da janela, ainda sem insetos
As gotículas de água, porém, insistem em invadir pela janela
Na insistência ganham, mas é uma vitória quase insignificante
O homem joga um pano no chão perto da janela e controla a situação
Abre a despensa e olha para o que comprou com desinteresse
Antes de abrir o armário sabia que não queria nada
Ainda assim decidiu abrir aquelas minúsculas portas
Escapa-lhe o sentido da inutilidade do próprio gesto
que por antecipação sabia ser completamente inútil
Não é incoerente com suas crenças
Não procura desculpas para quem é
Não inventa dramas para sua dor, embora
sua dor seja uma epopeia dramática e sufocante
Desejarão amá-lo, mas dificilmente o alcançarão
Talvez seja ele a escolher quem pode cuidar do seu coração
Não é um homem fácil, mas é mais fácil que os outros
Entrega na coerência e na sinceridade sua alma
todos os dias no mesmo horário, no lusco-fusco,
Às vezes sua expansividade o torna brusco, mas
ele só reza para os santos em que realmente acredita
E só prega na geladeira regras e sugestões
que sabe ter a capacidade de cumprir
Franze o cenho e range os dentes para os que se repetem
O arrependimento deles é geralmente falso
e assim forçam os erros que tanto cometem
Entra em um frenesi na madrugada e se sente quente
A noite lá fora é gelada e instantes antes seus dedos doíam
Pensa em soluções, mas há quem não queira solucionar coisa alguma
Todos entram na mesma mira
Ninguém comete o mesmo erro de maneira mais leve
por conta de uma intimidade maior ou de um lanço sanguíneo
Avalia seu próprio extremismo e pensa se é realmente extremo
Respira fundo e recupera um ar mais calmo e sereno
Bebe uma cerveja e sente um arrepio que acompanha o temor
Odiará os hipócritas até o dia em que se tornará um
Se tornará um? Ele chora, pois parece inevitável
Nunca conheceu alguém que não fosse hipócrita,
mas pelo menos não fará parte dos que são assim no cotidiano
Ninguém sente seu drama e ninguém o entende
Ele se expurga passando por todos os processos
Nunca pega atalhos e nunca evita a dor
Se sente machucado e sozinho na madrugada
sabe que precisa sobreviver o quanto for
Talvez amanhã tenha alguma companhia,
Talvez amanhã respondam suas mensagens ou
ele mesmo resolva conversar com quem optou ignorar
Ele respira fundo e ergue a voz para dizer
“Eu sei que vou conseguir”
Há milhões de coisas que passam por sua mente
A luta livre armada, o futebol, os animes,
Os hobbits, anões, elfos e os filmes Ghibli,
As dezenas e centenas de filmes e mangás,
As pessoas, os lugares, os bares
A Nova Zelândia, os japoneses e o Japão
Será que um dia começará a fazer aulas?
Será que se comunicará e viajará?
Será que poderia ser professor, escritor ou filologista?
Será que com tantos ímpetos de heroísmo
pudesse se converter em um vigarista?
Ele pensa em mais coisas que não pensam nele
Os insetos que hoje não tentaram invadir o apartamento
talvez voltem amanhã
O filho não sabe se quer ter, mas sabe que seria
o pai mais espetacular de todos os tempos
Não opina sobre sua vontade de nascer neste mundo odioso
Repleto de desgraças e desigualdades e com vislumbres,
Apenas vislumbres de uma alegria duradoura
Ele sabe que a tristeza se ajeita em qualquer lar,
mas a felicidade requer muitos pressupostos
Mas ele leria histórias para sua criança dormir bem
E ensinaria que os filósofos todos parecem prolixos,
mas que possuem lições importantes a ensinar
E que ele não pode e nem deve ignorá-los,
Mesmo os que são entediantes no Ensino Fundamental
Ele desliga a cafeteira e vai até o quarto
Liga um filme para ninguém assistir
Conta para todo mundo que perdeu o medo do escuro,
mas sempre dorme com a televisão ligada
E daí?
Cambada de filhos da puta
Murmura, mesmo sem se entender
O café da madrugada acabou e a cerveja também
Ele olha para a sacada e depois analisa
o espaço do apartamento
Reconhece que poderia ter pelo menos três gatos
Há muito espaço para ser sozinho
Ele é expansivo, mas confia no que dizem sobre os gatos
Eles gostam do próprio espaço
O próprio homem se sente um pouco felino
Precisa adotar um gato ou vai morrer nas rodovias
Olha para a cama de casal e sabe que terá que dormir sozinho
E dormirá se juntando ao grupo dos que estão dormindo,
pois não pode se distrair
Será que em sonhos terá a paz que merece?
Reza para que outra vez volte a ter companhia, mas
roga para que seja alguém que lhe dê espaço
Não é um dragão personificado, mas não divide seus hábitos
Espirra e lava o nariz e olha para a cama de novo
A oração foi em vão porque ele não acredita em Deus
Acredita em camas de casal para solteiros e na solidão
Acredita em atalhos, fugas e distrações
Acredita no chocolate, na cerveja e no café
Acredita ser capaz de não se contradizer e
de não tornar mentiras óbvias sua própria religião
Acredita nas batidas do próprio coração
Sente-se solitário, mas ao mesmo tempo bem
Isso de querer ser exatamente o que se é
Ainda vai o levar além
Ele não faz ideia do quanto vai sofrer
e tampouco desconfia do quanto vai evoluir
Derruba seu corpo no sofá e se esquece da TV
até que, enfim, consegue dormir
Quando acorda de manhã com uma
leve dor de cabeça sabe que tudo ficará bem
Segue no seu próprio ritmo até a cafeteira
Pega a xícara e sorve um gole de café.