Terça-feira morna

O lusco-fusco deste fim de tarde atinge minha pele pálida. O sol se recolhe e o temor cresce nesta noite sem luar. Fecho as janelas e respiro fundo, tentando apagar a sensação incômoda que me sobressalta. O cão, leal, fita-me carinhosamente com seus olhos de jabuticaba. O gato, bicolor, recolhe suas patas e deita ao lado do meu braço direito, cobrindo a distância que pode, sem me atrapalhar. Antes que a ausência da gata se faça sentida, observo-a surgir na porta do escritório e me analisar com uma seriedade misteriosa e complacente, antes de subitamente começar a lamber os próprios pelos em uma higienização longa e demorada. Tudo no cão e nos gatos é absolutamente natural. Estranho-me ao me deparar com a minha imagem letárgica, absorvendo a invernia deste início de novembro. A estreia do penúltimo mês do ano me deixa reflexivo e meus pensamentos percorrem vielas escuras e perigosas. Nos filmes e na vida, não há razão que justifique a insensatez de adentrar um beco de penumbra onde sombras de bichos se misturam e se confundem com fantasmas de pessoas, entretanto, para provar a minha espontaneidade e livre arbítrio através de uma atitude de pura estupidez, eu me flagro caminhando em frente.


Revolvo-me para dentro, interiorizando-me, internalizando-me, buscando no cerne qualquer coisa com uma pitada de magia, qualquer coisa que me faça deixar de pensar, qualquer solução para voltar a sentir e agir estritamente por instinto. Se todo o sofrer é individual, por que eu me comovo com as dores que não sinto? Se isso não é tristeza, será que secretamente minto? Os mecanismos e as mecanicidades engessam as ações e a sociedade se torna previsível, robótica. As academias de musculação estão cada vez mais lotadas, não pela preservação da saúde, mas por uma espécie de estímulo ao senso coletivo de estética. Todos nós devemos ter os abdomes tonificados e os músculos fortes. A flacidez apavora tanto os cidadãos modernos quanto a fome assola os miseráveis. Tudo que é fruto de um senso coletivo gerado através da indução premeditada me apavora. Resumimo-nos ao que nunca fomos. Os titereiros balanças suas cordas e as pessoas correspondem aos comandos. Absorvem doutrinas inteiras em um minuto e depois abrem suas cabeças ao fanatismo, sem compreender que é um caminho sem volta. Marionetes robustas, violentas e manipuláveis. Ajoelham-se para falsos deuses. Espalham notícias, antes mesmo de as lerem. Tornaram-se os robôs revolucionários, não pensantes, convencidos pelo primeiro vídeo editado que recebem. São liderados por qualquer um que entoe um grito populista e falsamente revolucionário. Pensam-se vitoriosos, mas o que acontece é justamente o contrário. O surgimento dessas novas estéticas, dos novos sensos comuns, dessa necessidade estrita de concordância, envenena pouco a pouco a minha alma. Se não formos iguais, não servimos. Quando suas ações não visam o lucro, quando suas ambições não são puramente monetárias, quando a astronomia da tua existência não engloba e engole o tempo inteiro o que ditamos como Sucesso, outras palavras ardilosas e ásperas como Fracasso entram traiçoeiramente como a brisa gélida pelas frestas da janela. Um dia eles foram outras coisas, mas já não se lembram de quem era. Aprendi que qualquer um que esqueça o passado se torna desprotegido quanto ao futuro. Talvez seja por aprender tanto que diminuí a frequência com que canto e vejo meu coração mais duro.


A alma não pode se tornar empedernida. Os conhecimentos que absorvemos com calma, creio que de alguma forma os levamos para outras vidas. Não é possível que isso seja tudo. A estética grita e cala o conteúdo. Tento falar, mas estou mudo. Será que é mais uma derrota amarga para processar? Não admito que isso seja o fim. Por vezes, sinto que a vida vai acabar, mas ainda tenho tantos sonhos em mim.


O peso das responsabilidades mundanas me sobrecarrega. A crueldade que não pude herdar de nenhum parente distante, esse ímpeto de bondade constante é o que me cega. Não posso admitir ser uno, se sempre me torno outra coisa. Mudo o tempo inteiro e abro a minha cabeça para mais, sem me imbecilizar. A religião de não ter religiões, eu, indivisível e puro, oscilante, falível, confio no meu próprio coração. O maior prazer mora ainda dentro da ilusão. Salto no abismo da inconsciência alvejando me tornar ainda mais puro, ansiando por agir de acordo com todos os estímulos que necessito para satisfazer a alma exigente. Mereço mais e sei, entretanto, acocoro-me no canto perto da privada e vomito, lúcido, sistemas, teorias e teoremas inteiros. Reviso mentalmente livros que nunca foram escritos e me sinto perto da morte e perto do divino. Penso-me grande, mas tenho todas as idades que tive e a gente só sobrevive se guarda em si um pouco de menino. Será que prezo em demasia a criança que fui? Desde a infância amo o vermelho e hoje noto que perdi meu reflexo diante do espelho. O vampiro envelhecido que não envelhece, a cabeça que não se expande, o antigo desejo de existir longe. O primitivo anseio de beber sangue. Ó, escuridão sombria, esconda-me hoje, esconda-me até o domingo, proteja-me quando nada mais puderes servir de escudo, projeta-se e fala quando eu me fizer mudo. Cavaleiro das mil noites trajado em seu manto rubro. Que valentia o faz enfrentar a morte sorrindo? Vituperado prossegue sem sorte com a memória de quando o mundo era lindo. Era lindo por que o era ou por que havia quem amar? Assim como o inferno, o paraíso também não é um lugar. Verifiquei a necessidade dos outros para ser profundamente triste ou imensamente feliz.


Tudo envelhece e um dia voltarei ao pó. Tudo arrefece e no fim se anda só. A vontade de não ter vontades, os suspiros cansados no meio do expediente, o meio expediente da vida, que pode ter acontecido a qualquer momento. Eu sozinho e sem saber como seguir e me orientar. A minha memória em outra cidade. O coração no lugar certo. A alma papeando com divindades em outras cronologias e distantes desertos. Eu tentando aprender algo para que. Tentando ouvir mais e se. Preocupando-me com os outros, mas sem receber essa preocupação de volta. Todos os desejos alheios foram realizados com leveza e facilidade, exceto os meus próprios. Tudo foi conseguido pelos opróbrios. Eu, quase corajoso o suficiente para ser digno, desdobrando-me e desbravando tudo, ficando quando todo o resto vai saindo, eu sofro solitário, sem ter ao menos meu próprio tempo para sofrer. Luto para fazer valer cada momento e mesmo quando tento e venço, é difícil sentir como se eu não tivesse acabado de perder.

Publicidade

Publicado por

drpoesia

Escritor de hábitos relativamente saudáveis que gosta de escrever crônicas, poemas, contos e principalmente romances de ficção fantástica. Três livros prontos, porém, ainda sem publicação física. Trimestralmente faço o registro dos meus novos textos no Escritório dos Direitos Autorais. Tenho 27 anos de idade e sou formado em Direito. Creio no amor, embora o sinta meio ingrato neste ano. Só posso ser quem eu sou e é assim que vou continuar. Confio no mestre Leminski. "Isso de querer ser exatamente aquilo que a gente é ainda vai nos levar além". Se você continuou até aqui espero que conheça meu blog aqui na WordPress e que possa dar uma visitadinha nas minhas páginas de poesias no Instagram e no Facebook! Obrigado! Volte sempre!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s