Cronologias.

Num tempo em que ela era minha
E flertávamos como crianças ingênuas
Sentávamos no tronco de uma árvore
e olhávamos a lentidão das vidas pequenas
Formigas, abelhas, esforços
A importância das rotinas nos escapava
Logo menos seria a hora dela de partir
O tempo voa, meu quase amor,
Será que um dia saberemos de algo?
Minha frase antecipa cronologias
como se eu tivesse viajado ao futuro
Minha sabedoria a impressiona
Tudo bem, é assim mesmo,
Amanhã nos veremos, digo,
Ela pergunta, é certeza?
Mesmo sendo um domingo?
Afirmo, ela corre e me beija
e me entrega uma flor amarela
Digo que seria incrível se em algum
lugar do mundo existissem flores pretas nas janelas
Ela franze o cenho, mas relutante responde:
“você pode pintar essa com uma caneta”
Depois corre e se esconde
Gargalho dela e de um telefonema
Que a vida seja bela como nos cinemas
Furacões de distopias distintas
tiram os meus pés do chão
A minha alma está faminta e
ouço as batidas do meu coração
“Ictus Cordis” significa impulso apical
Este é um formidável nome afinal
Desejo agora te amar, outra me confessa,
Isso não é amor, é desespero, pressa,
Não sou eu, quase amor, o que tenho é tão pouco
Desconfio de que se perdeu no meu jeito meio louco
Estou rouco, calma, devagar, agora estou sentado na calçada
Ouço uma confissão aterrorizante sobre
um crime antigo na melancólica madrugada
Abraça-me, criança, tenha esperança,
Não imagino sua dor, mas
hoje você está longe do perigo
Nunca serei teu amor,
mas sou para sempre teu amigo
Ainda que você suma para todo o sempre,
O tempo voa, meu quase amor,
Será que um dia saberemos de algo?
Observo minha alma e depois meu espelho
gosto do que vejo quando estou pelado
Sinto que me vesti errado quase uma vida inteira
Quando me obrigavam a vestir máscaras,
eu as rasgava no meu júbilo durante as bebedeiras,
Sentimentos que transcendem o tempo
e imortalidades que agora morrem
Aproveite cada momento
Eles inevitavelmente escorrem
Olha nos meus olhos,
Esverdeia minha imaginação
e se torna agora minha personagem
Será que é mais que alucinação ou miragem?
Não, não nas cidades grandes!
Não, não nas cidades pequenas!
Não, não nos campos verdes!
Não, não enquanto os mares forem salgados!
Não, não enquanto não segurar um d20!
Não, não enquanto não houver fé nos dias seguintes,
Um, dois, dez, vinte, estou envelhecendo,
Vinte e oito, vinte e nove, os grisalhos vão aparecendo
Olha para os números mágicos e eles te olharão
Roda outra vez na violência do teu furacão
Tudo isso é o que é e você merece
Te davam por avenca, mas suas raízes esticam e crescem
Você toma conta de tudo, minha senhorita
Obrigado por tornar a vida mais bonita,
Sim, sim nas ruas ermas e nas boates lotadas,
Sim, sim nas manhãs e nas madrugadas,
Sim, ora, claro, você tem muito o que me ensinar
Sim, eu sou desajeitado, mas ainda hei de dançar
Escuta, por favor, devagar, sou puro e arisco
A minha vida é me arriscar aos riscos
Lembro de mim, quase como se não me fosse
sentado naquela velha árvore que não está mais no parque
Lembro de mim, quase como se não me fosse
inseguro, indeciso e melancólico
Tudo isso que foi e tudo isso que é
Isso tudo não passa de uma fase
Chegamos ao último destino?
Quase!
Ando nu pelo meu apartamento
Sou feliz
Outrora andava solitário
e zombava tudo o que existe
Minha satisfação chegou durante a jornada
Compreendi que a minha alegria é triste
Por vezes me levanto soturno, sorumbático
e sinto um estranho arrepio
É no meu estado mais dramático
que sinto desaparecerem os meus vazios
Logo menos será minha hora de partir
O tempo voa, meu quase amor,
Será que um dia saberemos de algo?
Como aceitar um gol do adversário que acontece
nos acréscimos em um jogo de futebol?
Como não se imaginar dançando
após se apaixonar por Sophie e Howl?
Será que um dia saberei de algo?
Olha, amor, eternidades se acabam
Portanto nunca me faça de refém
As baratas por vezes serão douradas
E há os que não querem o nosso bem
Ando pelas ruas e me encontro
Vejo a minha versão criança
abraçando minha versão adolescente
Muita calma, garotos,
Esse mundo ainda se acostuma com a gente
Não, não apenas nas cidades pequenas,
Não, não apenas nas cidades grandes,
Aprecia o peso da minha sentença
“EU VOU EXISTIR LONGE”
Declaro e tiro do meu peito toda a raiva
Os milagres desfilam por aí
recolhendo casacos para doação
Alguns se acabam e outros nos levam
para o velho furacão
Bem lá onde ficção e realidade se confundem
Bebo o café amargo
Sou livre e independente
Cresci do meu jeito, expansivo, valente
Logo menos será a minha hora de partir
Ensombro os meus amigos para que descansem
Protejo-os, como se os antecipasse
Nunca conhecemos ninguém
Abraço todos os meus eu’s antigos
Descobri para onde foram os meus anos perdidos
Sorrio, cansaço, esperando pelos números
enquanto rezo pelas letras nascerem
das pontas dos meus dedos
Sou ficcionista e minhas fantasias
são meus maiores segredos
Um dia vou revelá-los
Um dia vocês vão contemplá-los
Um dia, sim, assim será
Fecho os olhos e não flerto
Ainda assim sou uma criança ingênua  
Acreditando na beleza do mundo ao redor
Sento na calçada, não há troncos soltos,
Não há lamúrias ou corridas alegres,
Não, não há vento,
Não, não há sexo,
Não, sequer existe carinho
Estou nesta estrada sozinho
Bem como vim ao mundo,
cheio de perguntas e sem respostas,
Meu coração de vagabundo se alegra
e faço novas apostas
Encontro minhas partes feias
Encontro minhas partes belas
Sou tantos, pacífico, fera,
Grito selvagem sobre a minha coragem
Não me reconheço e gargalho
Ferro, vinho, cumprimentos, despedidas,
Há tanta coisa que sobrevoa minha cabeça
Minhas histórias mais belas não serão esquecidas,
ainda que todos me esqueçam
O tempo voa
Será que um dia saberei de algo?
É possível descobrir o nome que tinha
antes que o Universo fosse criado?
Errado, certo, apenas palavras
Aparo flechas com a minha espada
Sono, sonho, lúcido, louco, parado,
Acerto quando erro,
sou um relógio quebrado
Régio, eu tenho me esforçado
A importância das rotinas me cerca
e os anjos me apertam proferindo profecias
Você escreve qualquer merda e torce
para que sejam poesias
Olha, que a gente nunca sabe o que sabe
e vive tentando se encaixar onde não cabe
Fadados a perseguir ídolos falsos por milênios
Aqui nunca mais, vivo longe em sonhos gênios,
O sono pesa minhas pálpebras e amanhã trabalho
Perdi-me das horas,
Se eu me perder de ti, encontra-me,
por favor, não demora
Olha, olha que sobrou pouco de mim
E essa miséria é maior que o infinito
Obrigado outra vez por fazer meu mundo mais bonito
Profícuo, prolixo, sucinto, distinto,
Discreto, ereto, objetivo,
Ergo o rosto, exposto e me atingem
O sangue pinga, eu vermelho,
sem panos e nem curativos
Eu vermelho
Quase morto,
Ainda vivo
A morte chega, eu a sinto, mas não hoje
Aproxima-se com a ternura de um beijo
Desafio minha sina e renego seu desejo
Prometo que só irei após séculos
Desacelere agora, planeta Terra,
não queremos guerra, mas não acabamos
Alguns ciclos logo se encerram,
mas ainda nem nos mostramos
É estranho, real, inconstante
Sussurre suas vontades aos céus
Realize-as imediatamente
Aproveite a vida já que tudo acaba de repente
Será que um dia saberei de algo?
Deito-me perto de um lago e me percebo
Estou me transformando em um fantasma, mas
ainda vejo um cenário auspicioso surgir no horizonte
Se um dia saberei de algo? Isso já está claro:
Eu vou existir longe.

Publicado por

drpoesia

Escritor de hábitos relativamente saudáveis que gosta de escrever crônicas, poemas, contos e principalmente romances de ficção fantástica. Três livros prontos, porém, ainda sem publicação física. Trimestralmente faço o registro dos meus novos textos no Escritório dos Direitos Autorais. Tenho 27 anos de idade e sou formado em Direito. Creio no amor, embora o sinta meio ingrato neste ano. Só posso ser quem eu sou e é assim que vou continuar. Confio no mestre Leminski. "Isso de querer ser exatamente aquilo que a gente é ainda vai nos levar além". Se você continuou até aqui espero que conheça meu blog aqui na WordPress e que possa dar uma visitadinha nas minhas páginas de poesias no Instagram e no Facebook! Obrigado! Volte sempre!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s