O que sabem de mim.

            Anteciparam-me errado, ainda que eu estivesse estático, silente e soturno. Bem, é que era um problema dos outros e não meu. Eu logo vi, esses tais equívocos, essa quantidade palpável de fracassos acumulados em um baú escondido no fundo do armário, não me pertenciam. Os dedos em riste surgiram, apontando-me com agressividade. Queriam me impor culpa. Eu, aéreo, continuei flutuando, cinza, pesado, prestes a chover. O que foi dito, o que calei, o que inventaram, tudo isso existe numa prateleira que não existe, ostentado diante de meus olhos, para que eu possa encarar a opulência imoral do que nunca me pertenceu. A minha grande ignomínia é a minha paixão revelada pela escrita e cada vez que escrevo meus romances, crônicas e poemas, eu firo alguém que nunca se levantou para ser quem deveria ser e isso só se justifica porque determinaram que escrever é banal. Desta forma, por ser escritor, tornei-me um réprobo. Os grandes disfarces disfarçam talentosos artistas, peritos na arte de encenar, especialistas com a capacidade de ser quem não são. Bastando-se do que não lhes pertence, eles seguem confiantes e eretos, ainda que sejam pessoas incompletas e vagas. Acostumaram-se tanto aos costumes emprestados, que quando se perguntam quem são na essência, as gargantas secam e faltam suas vozes. Como seriam os seus dias se a sua única obrigação fosse o autocuidado?

            Encaixo-me nos estereótipos, pelo menos é o que a maioria supõe, portanto, todos presumem o que quiserem a meu respeito e assim se satisfazem. Por escrever poemas, é impossível que eu goste de sexo violento. Por ser distraído, todos acreditam que fumo muito e bebo mais ainda. Por ser alheio, todos creem que sou desinteressado e distante. Definem-me calmo, pois como alguém como eu seria capaz de tantas tempestades? Como alguém de tantas notas belas poderia facilmente mergulhar em um Vazio Escuro e sair mais assustador do que assustado? Meus impulsos não se controlam. Nada em mim subsiste. Gosto do sexo violento, mas também do sexo lento. Gosto do barulho ensurdecedor, mas me aprazo também com a calmaria. Raramente demonstro meus interesses, mas meus olhos faíscam para tudo o que me torna quem eu sou e cresço expansivo por todos os cantos da cidade, quando me percebo falando das coisas que mais amo. Personifico a tempestade e chovo. Ninguém escapa de mim e escutam meu som contra os telhados. Despenco com agressividade e me desfaço em lágrimas no asfalto. A ira, a água, a distância, o que habita em nós e mais ninguém entende, tudo isso eu vejo e, embora não me pertença, quase sempre sou capaz de compreender. Sou o imperador das madrugadas e sobrevivo com meus tantos sonhos diurnos. Um grito ecoa nas profundas cavernas do Ser. Levanta-te, príncipe insone, senhor solene das horas tardias, agora é tempo de se manter desperto, ainda que nem tenha adormecido. Permaneça comigo e respire devagar. Nos dias ensolarados e radiantes, nada ensombra meus sonhos mais coloridos. Sigo em frente, sem pensar na velocidade dos meus avanços ou na quantidade de perigos.

            Penso no trabalho sentado na cadeira e encaro a tela do computador com os olhos pesados. Quantos antes não passaram noites em claro diante de letras e frases? Quantos antes não fracassaram nas tentativas? Eu, tão inconstante, contradigo-me e luto para que as minhas intenções sejam puras e honestas. Não difamo quem passou pela minha vida. Minha gratidão é tão pura quanto a minha raiva cega. Tudo o que há em mim muito cedo se revela. Meus olhos ligeiros acompanham os movimentos de fora e eu, prolixo e sensível, sinto tudo na parte de dentro. Conheci a realidade e a ilusão e percebi que o exercício de distanciar a realidade da ilusão é estéril. Deveria desperdiçar meu tempo tentando abrir os olhos de quem vive anuviado até quando este torpor ilusório foi provocado e proposital? Deveria instigar a coragem, não sendo eu o responsável pelas covardias alheias? Quisera eu crescer e me fazer valente, sem nunca hesitar em avançar nas direções certas. Pudera eu vencer todas as minhas covardias latentes. Que sentido eu poderia dar para quem opta por viver ilusões em demasia? Se o que existe subjetivamente não fosse importante, não iríamos tão longe, assim, pego-me perdido em pensamentos prolixos sobre como a ilusão pode ser benéfica e me vejo sem a disposição de atacar quem eu considero iludido. Não se chuta quem está no chão.

            Sinto um arrepio pelo corpo e meus pelos todos se eriçam. A minha intuição alerta e sussurra que é melhor me manter cauteloso. O desconhecido é maravilhoso ou perverso e o fogo queima, até mesmo quando é amigo. As línguas requintadas, pingando veneno, suavizam doces beijos nas bochechas de todos, sem distinção. A educação, a pose, o luxo, a sutileza que se esconde por de trás da falsa elegância, tudo isso se amplia em um traiçoeiro senso de beleza, por estarmos hoje acostumados a enxergar a beleza de trás para frente. Os amigos atuais se preocupam apenas em permanecer do seu lado, desconsiderando sua vileza e sua arrogância, sem qualquer coragem de interpelar, por puro medo das distâncias. Escolhem o afastamento, ainda que tenham a opção de fazer diferente. Opta-se por assentir com versões e visões estúpidas do que se erguer diante de um confronto. Sujeitamo-nos a qualquer coisa, prostrados de joelhos de corpo e alma, por quem sequer nos olha nos olhos ou se preocupa com a nossa existência. Quando nos acostumamos ao silêncio diante das coisas vis, lentamente as coisas vis se tornam uma extensão de nós.

            Tenho conjecturado mais teorias do que os grandes pensadores e tenho feito esforços homéricos maiores do que o do próprio Homero. Tudo o que se existe é para se pensar ou não pensar, para ser feito ou não ser feito e me encontro confuso, ainda que localizado em mim. Os estereótipos todos se explodem com a sensibilidade do meu jeito de amar ou da minha violência veloz nos assuntos que mais importam. Quem perdeu a conta de quantas vezes já foi ridículo ou sensacional, obtém, cedo ou tarde, um domínio mais abrangente das próprias reações, ainda que reagir seja espontâneo. Como posso me preparar se nunca estarei preparado? Como posso querer antecipar algo se eu tenho sido tão imprevisível quanto a vida maluca que se apresenta diante de mim? Analiso-me em perspectivas diferentes até o cansaço de minhas hipóteses e me encaro como um sábio e um imbecil, como alguém perdido e alguém que sabe exatamente para onde ir. Minha alma se demonstra expansiva e me percebo expansivo. Aprendo com rapidez e noto que impressiono até os que não são facilmente impressionáveis. Ser eu e existir além de mim, exige-me muito, entretanto, não consigo deixar de me exigir. Que faço de mim se não consigo me fazer exatamente quem sou? Que me restaria se desistisse de lutar por toda essa alegria e amor? Por vezes me pego sentindo uma exaustão profunda e me percebo cansado de ser a única pessoa que sou, entretanto, sei que o pior pesadelo é a hipótese de ser diferente de quem sou. Não poderia viver me diminuindo para me encaixar e nem arrotando contos heroicos de proezas que nunca fiz. Sou complexo na minha discreta sensibilidade e não desejo ir muito além.

            Sem me embriagar, eu ando em linha reta, mesmo quando a vida dá voltas e me vejo diante de muitas curvas. Saio de mim, sem sair de mim. Torno-me contemplativo e ouço os roncos de cães e gatos. Nas ruas de um condomínio fechado, observo das alturas enquanto uma pessoa encapuzada caminha decidida para lugar nenhum. A segurança nos passos daquela silhueta escura me faz pensar que observo o próprio inventor dos mundos, o único Criador desta infame e maravilhosa jornada, que caminha nas madrugadas enquanto o resto de nós pensa ou dorme. O que explicaria uma pessoa, homem ou mulher, caminhando na chuva em um domingo oco que antecipa uma segunda-feira turbulenta de esforços e trabalhos?

Sabem tanto de mim que confesso que já não sei se me sei como um dia soube. As paixões que estimo costumavam ser claras, até o momento em que alguém supôs que sou apaixonado por coisa alheia. Perdido no torpor causado pelas opiniões que não me pertencem, percebo tampouco me pertencer agora. Aconteço para dentro e fogos de artifício explodem no meu peito. Não sei dizer se eles celebrar vitórias ou derrotas, por não saber nada mais de mim. Meus gestos outrora fracos subitamente se tornaram fortes e as minhas impressões discretas agora eram inevitavelmente inesquecíveis. Agir é modificar a natureza do pensamento e preferia o meu próprio mundo. Durante mais da metade de minha vida, revolvia-me em meus recônditos, explorando a minha criatividade latente, buscando pelo rosto da alma. O que havia no exterior jamais me interessou tanto quanto o que havia para o lado de dentro. Quem não conhece a própria casa raramente consegue desfrutar do que há para ver no mundo externo. Sentava na areia branca da praia ou da chácara e construía meus tantos castelos ou me enterrava na areia, por sentir que era rei de qualquer reinado ou que meu lugar era junto a borda do mar. O sal de minhas lágrimas me fazia rejuvenescer e eu crescia frívolo, longe da maldade ou da bondade, nas margens que me delimitavam. Era a minha covardia que estabelecia margens? Quando me percebi expansivo, nunca mais parei de aumentar de tamanho e aprendi lições dolorosas. Talvez os cronistas tenham a escrita preguiçosa e os poetas, cruzes, talvez os malditos banais possam escrever poemas. Pasme! O horror de formular poemas. Onde é que foi que nos perdemos antes de nos localizarmos assustadiços pela arte da literatura?

            O meu grande crime foi chorar alto no meu primeiro instante de vida. Quem sabe não chorava por antecipar que este mundo não vale a pena? Quem sabe não chorava por saber que eu me despediria incontáveis de vezes? Quiçá já soubesse e sentisse naquele milésimo de segundo a força de todos os meus revezes ainda não vividos. Tudo isso vai e continua muito rápido. Amores se despedaçam e amizades também. Os mais ausentes te jogam em uma fogueira porque você não esteve lá no momento exato, mas nunca se voltam para olhar a quantidade de momentos exatos em que eu os precisei e me notei sozinho. Durante os meus colapsos, eu tive dois anjos da guarda e o restante não se preocupou sequer em saber de mim. Tudo desmoronou, entretanto, na perspectiva narcisista de quem acredita que o mundo gira ao redor da própria barriga, somente os erros alheios são incluídos para contagem. Os erros próprios sequer são considerados erros. Cansado de fazer de mim o que não era, eu vesti minha jaqueta de couro e saí pelas ruas para caminhar.

            Dizem que as ruas são perigosas e que dois homens em uma moto irão te assaltar ou te matar. Se morri, não sei como lhes escrevo. Por duas vezes me deparei com duas motos nesta narrativa. Ergui os olhos, atento, não como quem esperava reagir, mas como quem aceitava que perderia os bens materiais ou a frágil vida. Que é que se pode fazer quando não há nada mais a fazer? Atravessei a rotatória, reto, como se fosse uma flecha perfurando um alvo e meus pensamentos prolixos giraram sozinho pelo círculo fixo. As luzes dos postes estavam em mim e assim eu era seguido de perto pela minha sombra. Isso, de uma forma bizarra, trazia-me segurança. Tinha o conforto de saber que pelo menos eu não havia perdido a minha sombra. Devaneei que o meu espectro pudesse cuidar a minha retaguarda e desta forma não mais precisaria temer os homens em motos. As frases que eu disse eram todas ridículas, bem como meus poemas e ainda assim, perdi o medo do ridículo me ridicularizando por completo. Continuei andando a esmo pela madrugada até o momento em que disparei numa corrida frenética. Parei só quando me senti ofegante e não havia água para tomar. Sorri, explorando-me, sem me concluir.

            Anteciparam-me errado, ainda que eu estivesse estático, silente e soturno. Os dedos em riste continuaram afrontosos, apontando-me com agressividade. Eu, aéreo, continuei flutuando, cinza, pesado, mas já havia chovido. Não havia mais o que dizer porque não havia meios de calar o que a minha língua-espada pronunciou. Ataquei sem medo de ser contra-atacado. Até onde percebo só tenho uma vida para viver e me apagar para que outros brilhem parece inútil. É pelos bons exemplos dos realmente valorosos que quero me erguer e lutar. A minha grande ignomínia é a paixão pela escrita, pois que me julguem um réprobo pelo resto da vida pelas tantas crônicas, romances e poemas. As minhas ficções são muito mais reais do que as mentiras de alguém que sustenta todos os próprios alicerces em boatos infundados e inúteis de quem fala e fala, de tanto não se bastar e insiste que as coisas estranhas e deturpadas sejam forçosamente verdadeiras. Por ser um réprobo, eu admito que não entendo até o que entendo. Como não sou adepto aos grandes disfarces, sobrevivo com o disfarce comum de ser precisamente quem eu sou. Por ser um réprobo, eu continuo a me explorar, mesmo quando sinto que estou realmente próximo de encontrar o rosto de minha alma. Por ser um inimigo dos olhos irritadiços e alheios, eu sorrio como quem adivinha que não vale a pena desistir da própria consciência para mergulhar na inconsciência, pois a razão superior não deve se sobrepor à razão inferior e eu, tão ferro, tão vinho, percebi que podem me faltar os outros e a presença deles significará pouco, se eu não me faltar quando estiver sozinho.

            Anteciparam-me errado. O que sabem de mim é exatamente o que nunca souberam. Supuseram a consciência do panorama completo da situação, entretanto, estavam extremamente equivocados e não haviam tocado em nada real. Aconteço somente quando sinto a liberdade plena. O corpo descansa, a ferocidade se amansa e fecho os olhos em uma simples e complicada respiração serena. Tudo o que é gigante então se apequena. O que haviam vislumbrado em mim era só uma impressão fugaz e passageira, pois eu era muito mais, mas me recusava a me gastar mostrando a Beleza lapidada em Dor que me trouxe até aqui. Um ou outro, por muito pouco, terá o privilégio de ver a minha alma sorrir. 

Publicado por

drpoesia

Escritor de hábitos relativamente saudáveis que gosta de escrever crônicas, poemas, contos e principalmente romances de ficção fantástica. Três livros prontos, porém, ainda sem publicação física. Trimestralmente faço o registro dos meus novos textos no Escritório dos Direitos Autorais. Tenho 27 anos de idade e sou formado em Direito. Creio no amor, embora o sinta meio ingrato neste ano. Só posso ser quem eu sou e é assim que vou continuar. Confio no mestre Leminski. "Isso de querer ser exatamente aquilo que a gente é ainda vai nos levar além". Se você continuou até aqui espero que conheça meu blog aqui na WordPress e que possa dar uma visitadinha nas minhas páginas de poesias no Instagram e no Facebook! Obrigado! Volte sempre!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s