Monólogo para um ouvinte calado

            Sonho que sou o inventor deste mundo e faço uma mistura questionável das conclusões que obtenho antes de acordar. Quando acordo, sinto-me estranho e o peso da realidade destoa do que me é costumeiro. Que se pesa mais no decorrer dos dias?

            Há este ponto confuso onde me vejo Perfeito e Imperfeito e a contraposição de ideias que me parecem impossíveis em coexistência certamente coexistem. Como alego ser Feliz e Triste? Como vou do Tudo ao Nada? Como penso apenas nos outros ou apenas em mim? Como admito ter encontrado a satisfação suprema e necessitar abrir mão disso por compreender, seja precipitado ou não, que o regozijo da calmaria me afasta de um Propósito tão grandiloquente? Você está me acompanhando aqui, senhor?

            Esqueço os propósitos, as missões e os anseios por coisas que julgo serem boas e, faço-me terreno, humano e mortal, como fingia não saber que sempre fui. Experimento a vituperação e o sabor amargo de uma realidade que não me é comum. Sofro por julgar que o sofrimento é a conclusão mais real da vida. Outra vez deito meus pensamentos para o Bem e o que é Bom, exatamente para essas coisas livres de vícios ou falsas virtudes. É possível alcançar isso senão em pensamentos? Que é que vejo quando fecho os olhos e não há mais o que ver?

            Que se convençam do que podem, eu me convenço da dureza das coisas e me puno com o que julgo errado. Se ajo errado, certo ou incerto, castigo-me por tempo indeterminado. Minhas punições podem durar eras quando eu sou o carrasco, mas tenho aprendido a perdoar rápido os outros. Deveria? Não há coisa que se deva nessa vida, há? Não sei. Creio que em situações de dúvida apostar no instinto seja a melhor opção. Ensaio uma despedida antecipada, mas em breve vou me despedir definitivamente. E daí se eu nunca mais voltar? E daí se tudo mudar abrupta e radicalmente? Quem é que pode se preocupar realmente comigo?

            Não, estes não são os caminhos, embora seja difícil ver com clareza. O hedonismo é tão cego quanto a religião. Que prazeres recompensam uma vida sem recompensas? Que realidades compensam uma vida hipoteticamente sublime? Há necessidade de desejar algo assim tão distante e distinto? Compensaria optar pela Abstração?

Neste ínterim de insanidade, mergulha-se o peito num mundo-fundo vazio e me afogo em coisa nenhuma. Meus questionamentos não mudam. E daí se eu nunca voltar? E daí se tudo mudar abrupta e radicalmente? Quem vai pular no oceano gélido para me resgatar se eu estiver afundando?

            Qual subjetividade humana te satisfaz, senhor? Qual te faz mais completo? A simplicidade? O entendimento limitado nos permite fixar raízes mais fundas em nossas relações interpessoais? A amálgama que faço de diversificados assuntos me assusta. Creio que parte de mim já tenha enlouquecido. Perdi meu senso de objetividade? Não sorrio e nem choro. Estático olho pela janela e vejo telhas, telhados e árvores. O céu vai mudando de cor e prevejo que a noite será incalculavelmente longa. Já esteve preso em uma dessas, senhor? Noites que duram meses ou até anos?

O que há para enxergar quando cai a noite? A luz da lua, o brilho das estrelas e as nuvens cinzas nas noites mais claras? Os olhos se acostumam com o céu noturno e me pego sentado perto da piscina que está esvaziada pela metade. Não é um caso de copo meio cheio, meio vazio. A piscina pela metade não faz sentido, entretanto, é a piscina que eu tenho na casa qual vivo. Se hoje a piscina é lar de novos seres, assim seja, brindamos às realidades quais podemos suportar! E se não pudermos suportar? Reticências, suspense, continuação sem continuidade. E daí se eu deitar na pedra e dormir? E daí se eu não acordar? E daí se eu nunca mais voltar?

            Não sei, confesso sempre ter me sentido bastante distanciado da sensação de inveja, mas olha-me, eu às vezes queria ter resoluções mais simples, exatamente como o senhor. As nuvens são nuvens, o céu é o céu e os animais precisam dos potes de ração cheios ou morrerão de fome. Os aviões são apenas aviões e tudo é apenas o que é, bem como, certamente por seus olhos certeiros, eu sou apenas o que sou. Se me perguntasse, porém, quem eu sou ou como sou, como poderia eu me explicar? Percebe a diferença de nossas maiores diferenças? Queria ver simples, ser simples, desejar simples. Queria ser sintetizado. Recente, te juro, senti Amor maiúsculo e quanto mais eu sentia, menos eu era quem eu era, pois não fui quem eu precisava ser antes de me encontrar com isso. Há hora errada para essas coisas todas? Amor maiúsculo cessa de sentir? Desta vez parece-me impossível. Perco-me nesta divagação confusa? Se eu te perguntasse quem você é, você riria e responderia “apenas eu”, resumindo a falta de necessidade da prolixidade em uma pergunta tão direta e boba. Desanuvio a mente e volto para a pergunta que me fiz agorinha. Há horas erradas?

            Se há hora errada, eu nunca me errei, mas ainda vou, pois todos se equivocam grande ou pequeno, estreito ou largo, ao longo da vida. Você sabe melhor do que eu, senhor, nossas estradas são apenas estradas, mais ou menos esburacadas, com mais ou menos acidentes, que importa? Fases feias que vão e vêm, vômito, vergonha, asco, raiva, tristeza, miséria, mas e daí? Alguns se erram jovens, outros velhos e ainda há os que erram jovens e também velhos. São estradas esburacadas e acidentadas simplesmente. Nota o poder da dualidade que há nelas? Abre-se a janela e a vida se significa em uma brisa dentro de um carro em alta velocidade. Perde-se do reflexo de motorista e a vida se encerra em uma batida violenta. A dualidade de tudo me apavora. Qualquer um pode me destruir. Eu posso destruir qualquer um. Ter consciência do poder é perigoso. Talvez a falta de consciência seja ainda mais aguda e fatal.  

Meu relato soa tão confuso, senhor, estranho que você ainda não tenha me pedido pausas, mas se está me compreendendo, vejo-me na obrigação de seguir. Prometo maneirar com meus tantos silogismos. Lágrimas? Gotículas repentinamente escorrem por meus olhos. É, sim, o sal do mar que habita os oceanos de nossa humanidade. Que é que há? Choro por não conseguir aplicar o descaso no descaso e sinto a minha prolixidade sentimental envenenar minha alma e minhas futuras escolhas. E daí se eu furar todas as minhas bolhas? E daí se eu optar pelo desconforto? E daí se vivo, eu às vezes sinto, como se estivesse morto? E daí se eu me machucar? E daí se eu partir e não voltar?

Venho dizendo em alta voz uma frase estranha, ouça bem, digo que todo mundo sangra igual, você também consegue perceber, senhor? Assim não se importe com o quanto me venho trôpego, o quanto pareço retalhado, faz-se necessário essa dureza de espírito e essa frigidez de não mudança para alcançar certas coisas tão incertas assim. Caí e quebrei. Agora, por ora, é a minha vez de ser um caco quebrado pontiagudo e pronto a ferir. Afaste-se, senhor, pois eu não te invejo, mas se me der escolha de prontidão, verá que eu te machuco sim. Não é o momento, senhor, mantenha-se longe, eu posso te fazer sangrar.

            Queria ver simples, eu disse, desejar simples, eu também disse, mas quando Deus ou eu mesmo, que inventei o mundo, vi-me diante desta hipótese, recusei-a. Explica-se aos outros o que nem completamente se entende para si? A vida se interrompe enquanto observo a gata se divertir preguiçosamente na janela. Ela não precisa de ninguém, mas busca ficar perto de mim, quando eu estou em casa. O companheirismo velado vale tanto quanto o barulhento, senhor? Dividir a estrada é possível, mesmo quieto, mesmo de tão longe? Nem todos os companheiros fazem alarde?

            Senhor, eu lhe disse antes, inveja não é a palavra certa, escute, você vê um avião e vê apenas um avião. Eu vejo a máquina terrível e majestosa que transporta pessoas ao redor do globo. Senhor, você dentro do avião apenas cochila sabendo que vai acordar no seu destino! Eu? Eu nem sei se o avião chegará e toda vez que me pego pensando em destinos finais, vejo-me em seguida em conjecturas sobre acasos, vidas e mortes. Você não olha para a janela, senhor e eu agora confesso que observo àquelas tantas cidades em miniaturas e àquelas luzes tão distantes que enchem meu peito de algo que não sei o que. Você sabe, senhor?

Eu inventei o mundo e queria contar um pouco sobre as coisas que descobri sobre todo o resto. Eu inventei o mundo ou será que apenas sonhei isso? Minha alma quiçá possui o mesmo tamanho da egrégora deste planeta? Perdi-me de novo, senhor, suplico que me desculpe. Confesso não me recordar mais da diferença entre sonho e realidade e nem do que realmente é e do que realmente não é. Esta dicotomia entre planos astrais e reais, este valor subjetivo qual etiquetamos a alma, tudo isso soa tão vago como os que imploram por clemência.

            Em termos gerais, escolho um caminho de sofrimento individual.

            Os começos, certo? Estou a começar pelas estranhas maneiras que agimos ou deixamos de agir, pelas manifestações tão absurdas e incoerentes e certeiras.

            É que essas coisas belas estão por aí e existem, olha, eu sinto que poderia falar sobre pelo menos uma delas o dia inteiro, veja, não é sobre conquistas, fracassos, dor, mira? É sobre ser e apenas ser, nesta tortuosidade má e insana que a gente carrega de vez em quando para com a visão do mundo, eu não me entendo, quando criei o mundo eu ainda era jovem e não percebi a desnecessidade de imprimir maldade nele? Entende sobre a maldade, senhor? Só sendo mal que se entende ela?

            Eu criei o mundo e fui derrotado pela melhor impressão que já encontrei. Soa hoje esquisito me ouvir falar disso? Escute bem, pois é com duas orelhas e dois olhos que mandei fazer essa gente toda e assim de carece de ter que confiar mais no que escuta e no que vê e é bom, realmente bom a gente tomar cuidado com o que fala, veja, outra noite tu também vais perceber que língua corta tanto quanto espada e minha mãe me falava isso sobre duas orelhas e dois olhos e agora já não sei qual de nós dois inventou essa confusão caótica de existência.

            Ainda está me escutando, senhor? Sustento a impressão certeira de que escutou pouco ou nada, mas tudo bem. Gente simples escuta pela metade ou nem escuta e sabe ser feliz com menos da metade que escuta e com menos da metade de coisas que todo mundo sonha em ter.

            Senhor, eu te juro, não é inveja que isso chama, não, nutro honesta admiração por ti e por toda essa sua maneira de ser, prática, obsequiosa, elegante, sim, senhor, todo homem simples é mais elegante e, veja, você não consegue ver as coisas como eu vejo e nem eu como você vê e deve ser bom nunca ter sonhado que inventou o mundo e nunca nem ter saído do quintal de casa e não passado frio muito longe daqui, meu caríssimo senhor e bem, eu não sei, mas você deve saber… Está farto deste monólogo, senhor? Pois percebi que é um ouvinte calado e fala pouco com a boca e muito com expressões, não estou certo? Seus olhos são comunicativos e me admiro com essa capacidade de transmitir ideias sem dizê-las. Eu não sei se sei o que sei, mas respeito a sua sabedoria, senhor e você deve saber muito mais que eu…

            Gente simples se basta exatamente com a vida que vive, mesmo que ocorram vários pormenores ao longo dela.

            Gente complicada igual eu, senhor, está sempre tentando mais, buscando fazer melhor, arriscando tudo… mesmo sem ter a certeza do que significa tudo, mesmo sem ter a certeza que esse tanto de riscos vale a pena.

            Você acha que vale, senhor?

Publicado por

drpoesia

Escritor de hábitos relativamente saudáveis que gosta de escrever crônicas, poemas, contos e principalmente romances de ficção fantástica. Três livros prontos, porém, ainda sem publicação física. Trimestralmente faço o registro dos meus novos textos no Escritório dos Direitos Autorais. Tenho 27 anos de idade e sou formado em Direito. Creio no amor, embora o sinta meio ingrato neste ano. Só posso ser quem eu sou e é assim que vou continuar. Confio no mestre Leminski. "Isso de querer ser exatamente aquilo que a gente é ainda vai nos levar além". Se você continuou até aqui espero que conheça meu blog aqui na WordPress e que possa dar uma visitadinha nas minhas páginas de poesias no Instagram e no Facebook! Obrigado! Volte sempre!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s